Nova Cruz/RN -

Covid-19: país bate recorde de mortes e casos confirmados notificados

Brasil bate recorde de mortes em 24h por covid-19

© Reuters / Bruno Kelly / Direitos Reservados

O número de pacientes recuperados é de 51.370

Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília

O Brasil bateu o recorde de mortes e casos confirmados notificados em 24h. Entre ontem e hoje, foram registrados mais 10.503 pessoas infectadas e 615 novos óbitos por covid-19. O número de pacientes recuperados é de 51.370. A atualização foi divulgada pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira (6).

No total, o país chegou a 125.218 casos confirmados de covid-19, um aumento de 9% em relação a ontem, quando foram registradas 114.715 mil pessoas nessa condição. De acordo com o Ministério da Saúde, deste total, 65.312 estão em acompanhamento (52,2%%) e 51.370 (41%) já foram recuperados, deixando de apresentar os sintomas da doença. Ainda são investigadas 1.643 mortes.

O total de mortes subiu para 8.536. A marca representou um acréscimo de 9% em relação a ontem, quando foram contabilizados 7.921 falecimentos. A letalidade é de 6,8%.

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, voltou a destacar que o número de mortes abarca aquelas atualizadas, podendo se referir a falecimentos que ocorreram em outros dias.

“Não estamos falando que os 615 ocorreram de ontem pra hoje. O que tivemos é uma atualização das 615 pessoas em investigação”, disse o secretário.

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (3.045). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (1.205), Ceará (848), Pernambuco (803) e Amazonas (751).

Além disso, foram registradas mortes por covid-19 no Pará (392), Maranhão (291), Bahia (160), Paraná (101), Espírito Santo (145), Minas Gerais (97), Paraíba (92), Rio Grande do Sul (97), Alagoas (89), Rio Grande do Norte (72), Santa Catarina (59), Amapá (56), Goiás (45), Distrito Federal (34), Acre (33), Piauí (30), Sergipe (23), Rondônia (33), Mato Grosso (13), Roraima (13), Mato Grosso do Sul (10), e Tocantins (9).

“A gente vê que para o Brasil não tem uma linha de queda. Vamos ter que continuar trabalhando e aumentando os cuidados. Mas a abordagem de cada região vai depender dos números locais. A estratégia de cada local vai depender da evolução”, declarou o ministro da Saúde, Nelson Teich.

 

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.
Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. – Ministério da Saúde

Lockdown

Nelson Teich informou que o ministério já formulou novas diretrizes para a definição das formas de distanciamento social. Mas que está buscando um diálogo com secretários estaduais e municipais para que este seja anunciado como uma iniciativa conjunta. Ele voltou a colocar a preocupação de que o tema possa gerar críticas ao governo.

“É importante entender que não existe defesa do isolamento ou do não isolamento. Vai ter desde medidas simples, como lavagem das mãos, um distanciamento pequeno, até o lockdown (bloqueio total). E o que é importante é que cada local vai ter sua necessidade. Hoje temos estados e cidades mapeando isso”, opinou.

Leitos de UTI

O ministro informou que foram habilitados 592 novos leitos de unidades de tratamento intensivo (UTIs), sendo 10 para a cidade de Manaus, que vem sofrendo com o crescimento de casos e falta de estrutura para lidar com o grande número de pacientes com covid-19.

Teich comentou o pedido de secretários estaduais em reuniões nesta semana para que o ministério arque com os custos dos leitos em hospitais de campanha. “A gente está trabalhando pra fazer o pagamento. Mas estamos avaliando isso”, pontuou.

Hospitais privados

Questionado sobre modelos de uso de estruturas de unidades de saúde privadas, como leitos, o ministro disse que era preciso ter cuidado para debater com o setor de saúde suplementar. Em momento posterior na entrevista coletiva, voltou ao tema para explicar sua posição.

“Não é admissível que pessoas morram quando podem ser salvas. O que acredito é um programa de cooperação entre sistema público e privado, se necessário for, que haja integração entre os dois. Preocupação é que isso não soe como intervenção”, assinalou.

Pesquisa

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - Marcos Pontes.
Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – Marcos Pontes. – Alan Santos/PR

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, anunciou medidas da pasta relativas a pesquisas sobre o coronavírus. Um edital no valor de R$ 50 milhões do órgão em parceria com o Ministério da Saúe vai custear investigações sobre diversos temas relacionados à pandemia, como tratamentos, vacinas, carga da doença e atenção à saúde.

Outra chamada do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) de R$ 5 milhões tem como foco inovações para a fabricação de equipamentos de proteção individual e coletiva. Neste tema, um projeto desenvolvido pela Universidade de Brasília (UnB) está desenvolvendo formas de limpeza de máscaras profissionais de proteção, o que pode permitir o reaproveitamento do material.

Edição: Liliane Farias

Uso de máscara será obrigado em todo o RN a partir da quinta-feira

A Prefeitura de Natal já decretou a obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos.

Outros municípios como Mossoró também tornaram obrigatório.

Mas o decreto do Governo, que prorroga por mais 15 dias as medidas de isolamento social, vai estender a obrigatoriedade por mais 15 dias a partir da quinta-feira.

Confira trecho do decreto:

USO OBRIGATÓRIO DE MÁSCARAS A PARTIR DO DIA 7

O Decreto trata sobre a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção (industrial ou caseira) para o acesso aos serviços e atividades cujo funcionamento não esteja suspenso.

Além disso, fica determinado que o uso de máscara de proteção se estende à circulação de pessoas, para fins de trânsito ou prática de atividades físicas, em vias e áreas de uso coletivo, públicas ou particulares, incluindo ruas, calçadas, estacionamentos, portarias, recepções, elevadores e demais áreas comuns em condomínios.

As pessoas jurídicas autorizadas a funcionar devem exigir aos clientes, funcionários e colaboradores o uso da máscara sob pena de multa.

A penalidade é a mesma prevista no Decreto nº 29.583 e varia de R$ 5 mil a R$ 50 mil.

O valor arrecado através da aplicação de multa passa a ser direcionado ao Fundo Estadual de Saúde (FES/RN), ou poderão, por convênio, serem delegadas ao município, sendo recolhidas ao Fundo Municipal de Saúde. O descumprimento também faz referência às punições estabelecidas no Art. 268 Código Penal Brasileiro.

Câmara aprova auxílio emergencial a estados, ao DF e municípios

Ordem do dia para votação de propostas legislativas. Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM - RJ)

© Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Após mudanças, texto retorna ao Senado

Por Heloisa Cristaldo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (5), em sessão virtual, o auxílio de R$ 125 bilhões para os estados, o Distrito Federal e os municípios em razão da pandemia do novo coronavírus. Como foi modificada pelos parlamentares, a matéria retorna para análise do Senado antes de seguir para sanção presidencial.

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 39/20 prevê que serão direcionados R$ 60 bilhões em quatro parcelas mensais. Desse total R$ 50 bilhões serão para uso livre (R$ 30 bilhões vão para os estados e R$ 20 bilhões para os municípios). Como não participa do rateio dos municípios, o Distrito Federal receberá uma cota à parte, de R$ 154,6 milhões, também em quatro parcelas. Os outros R$ 10 bilhões terão que ser investidos exclusivamente em ações de saúde e assistência social (R$ 7 bilhões para os estados e R$ 3 bilhões para os municípios).

Ainda para aliviar os caixas, estados e municípios serão beneficiados com a liberação de R$ 49 bilhões por meio da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de mais R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União. As prefeituras serão beneficiadas ainda com a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o final de 2020.

Municípios que tenham regimes próprios de previdência para os seus servidores ficarão dispensados de pagar a contribuição patronal, desde que isso seja autorizado por lei municipal específica. Os valores de dívidas não pagos serão incorporados ao saldo devedor em 1º de janeiro de 2022, atualizados, mas sem juros, multas ou inclusão no cadastro de inadimplentes. A partir daí, o valor das parcelas que tiveram o pagamento suspenso será diluído nas parcelas seguintes.

Mudanças

Os deputados modificaram um dos critérios para distribuição de recursos. Em vez de considerar a taxa de incidência de infectados, dispositivo proposto pelo Partido Novo determina o uso do total de casos registrados. Dessa forma, estados como São Paulo e Rio de Janeiro deverão receber mais recursos do que o previsto pelos senadores, que haviam sugerido critérios que acabavam por beneficiar Amapá e Rondônia, entre outros.

Ao analisar a proposta, deputados também ampliaram as categorias que ficarão fora do congelamento de salários previsto como contrapartida ao socorro da União aos entes federados até 31 de dezembro de 2021. Além de impedir reajustes, o texto proíbe a realização de concursos e a criação de cargos.

A emenda aprovada pelos deputados manterá de fora dessas regras as categorias de servidores civis e militares envolvidos diretamente no combate à Covid-19. Dessa forma, estarão de fora profissionais da saúde, policiais legislativos, técnicos e peritos criminais, agentes socioeducativos, trabalhadores na limpeza urbana e os que atuam na assistência social.

Um destaque aprovado na noite desta terça-feira incluiu entre as categorias do funcionalismo que não sofrerão reajuste os servidores da educação pública e fiscais agropecuários. O último destaque aprovado na sessão garantiu que os concursados que fizeram concurso e ainda não tomaram posse devido à pandemia, terão os prazos legais para assumirem suas funções suspensos até o fim do estado de calamidade pública decretado em função do novo coronavírus.

Edição: Fábio Massalli

CCJ ANALISA E APROVA PROJETOS QUE BENEFICIAM A POPULAÇÃO DURANTE A PANDEMIA

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Assembleia Legislativa se reuniu, pelo Sistema de Deliberação Remota (SDR), na tarde desta terça-feira (5) para análise, votação e aprovação de várias matérias que, quando transformadas em leis, vão produzir efeitos imediatos para a população do Rio Grande do Norte, notadamente nesse momento da pandemia provocada pelo novo Coronavírus (Covid-19).

“Essa é a Comissão mais importante da Casa, porque daqui as proposições seguem tramitação nas outras ou vão direto ao Plenário para a votação final. A reunião de hoje foi muito extensa. Aprovamos matérias, baixamos outras em diligência e desaprovamos outras. Os projetos aprovados, com certeza vão resultar em ações em benefício do povo do Rio Grande do Norte de forma eficiente e eficaz”, destacou o deputado Kleber Rodrigues (PL), presidente da CCJ.

Foram aprovadas 12 matérias, duas baixaram em diligência para aprofundamento na análise e uma foi considerada inconstitucional pela Comissão, que contou com a presença dos deputados George Soares (PL), Francisco do PT, Cristiane Dantas (SDD), Hermano Morais (PSB), Coronel Azevedo (PSC) e Raimundo Fernandes (PSDB).

Entres as matérias aprovadas está o substitutivo com o apensamento do Projeto de Lei que proíbe a corte no fornecimento de água e energia elétrica do consumidor inadimplente no período em que perdurar a pandemia do Coronavírus, que foi anexado à outra matéria de teor semelhante.

O parlamentar convocou uma reunião extraordinária para esta quarta-feira (6), às 9hs, também pelo SDR, para apresentação e votação de relatórios somente de matérias específicas sobre o combate à pandemia do coronavírus.

LÍDERES PARLAMENTARES SUGEREM OUTROS BANCOS PARA PAGAMENTO DE AUXÍLIO

No horário destinado às lideranças na Sessão Ordinária por Videoconferência desta terça-feira (5), os deputados externaram a preocupação com as más condições dos potiguares que enfrentam as filas para o recebimento do auxílio emergencial. As aglomerações e o longo tempo de espera são propícios ao contágio e podem implicar em mais casos da Covid-19 no RN.

Além da sugestão para que o Governo Federal destine outros bancos além da Caixa Econômica Federal (CEF) para o pagamento do auxílio, os parlamentares também sugeriram que, nos municípios, as prefeituras melhorem as condições das filas de espera. “As prefeituras também precisam se organizar. Sei que muito está sendo feito, mas temos que reforçar o trabalho para encerrar essa crise na saúde pública”, afirmou o deputado Hermano Morais (PSB).

O deputado lembrou a necessidade de uso da máscara e sugeriu a distribuição para a população mais vulnerável. Hermano Morais também lembrou que hoje se comemora o Dia Nacional do Líder Comunitário e parabenizou as lideranças potiguares pelo trabalho de auxiliar, intermediar e orientar a população. Hermano também lamentou os recentes episódios políticos no país: “Só quem não viveu ou não conhece a história do nosso país pode concordar com isso, temos que valorizar as instituições e a democracia para que possa haver a convivência de contrários”, afirmou.

O deputado parabenizou as Forças Armadas por terem se posicionado contra esse tipo de comportamento entre parte da população. “No Brasil se insiste na crise institucional desnecessária, todos os dias uma crise nova, um insulto aos poderes e  ataque à democracia”, criticou o parlamentar.

Em relação às filas para recebimento do auxílio, Dr. Bernardo (Avante) também lamentou as más condições. “Tem sido uma grande problemática, as pessoas dormindo em tendas e redes, todas juntas, se expondo, pela necessidade de receber esse auxílio, que é muito importante para as famílias”, disse, informando que apresentou requerimento para que outras instituições possam ser credenciadas como forma de desafogar a CEF.

O deputado também requereu que o auxílio se torne permanente. “Veio para mostrar que tem muitas famílias precisando de ajuda, passando por dificuldades e o Bolsa Família anda longe de suprir essas necessidades”, disse.

O deputado também fez um apelo ao governo estadual para que supra as unidades de saúde de Mossoró com Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e coloque os leitos de UTI em funcionamento.  “Em Mossoró, que tem menos pacientes atingidos do que Natal, estão morrendo mais pessoas, significa que existe algum gargalo, alguma dificuldade”, disse o deputado, que aproveitou para solicitar ao governo que coloque em dia o pagamento dos plantões ao médicos das cooperativas. Ao final, pediu que a exemplo dos servidores da Segurança Pública, o pagamento dos profissionais de Saúde também seja antecipado para o dia 15.

Segurança

O Coronel Azevedo (PSC) destacou a importância de ser levado a plenário o projeto de lei que está em tramitação e dispõe sobre o Fundo Estadual da Segurança Pública e da Defesa Social (Funsep) e institui o Conselho Estadual de Segurança Pública e de Defesa Social do Rio Grande do Norte (Consesp/RN). “Sabemos o problema e o desafio da segurança pública, por isso faço um apelo aos colegas para que possam aprovar a mensagem que disciplina a organização e o funcionamento dos órgãos de segurança pública”, disse.

Ao final, agradeceu ao secretário de Segurança e Defesa Social, coronel Araújo, e ao comandante da PM, Coronel Alarico, pela convocação dos aprovados para os cursos de Formação de Sargento e o de Formação de Praças, com mil participantes, cada.

Economia

Destacando que a pandemia não só causou um problema de saúde, mas uma crise financeira mundial, afetando inclusive países ricos como os Estados Unidos, o deputado George Soares (PL) disse que infelizmente no RN não será diferente: “As previsões já são de queda de arrecadação nos municípios, que serão afetados, pois a população deixou de circular e naturalmente caem os impostos mais importantes como o ICMS”, disse.

O parlamentar afirmou que está em permanente contato com o secretário de Planejamento e Finanças do RN, Aldemir Freire, para tratar da liberação das emendas parlamentares. Ele destaca que o Estado já perdeu cerca de R$ 112 milhões nas receitas. “Para um estado combalido como o nosso, é uma queda significativa. É natural a cobrança dos colegas parlamentares e eu sou um apoiador e lutador, mas é preciso que o Estado tenha ´cash´ para cumprir as emendas”, defendeu.

George Soares foi mais um parlamentar a externar as más condições em que a população se encontra nas filas para recebimento do auxílio e também sugeriu que sejam colocadas mais agências. “Em Assu, a Caixa Econômica Federal já atende 60 mil habitantes e agora também os moradores das cidades vizinhas”, disse.

Transporte Intermunicipal

As dificuldades pelas quais passam os que trabalham com transporte intermunicipal foram citadas pelo deputado Allyson Bezerra (Solidariedade). O deputado disse que a situação está sendo agravada pela legislação “ainda mais rigorosa” aplicada pelo governo estadual com o intuito de prender carros e aplicar multas.

“Tenho sido procurado de forma constante por esses profissionais e com a portaria do dia 17 de abril o governo está contribuindo para o desemprego desses trabalhadores. São eles que estão deslocando profissionais de saúde para o seu plantão entre as cidades e gostaria que a governadora e o Departamento de Estradas e Rodagens (DER) tivessem mais sensibilidade para essas famílias”, disse.

Ao final o deputado lamentou a situação do tradicional Hotel Thermas, de Mossoró, cujas dificuldades levaram o proprietário a demitir 200 funcionários. “O hotel existe há 41 anos e é um cartão postal que temos o maior orgulho. Sou solidário ao proprietário e aos funcionários e faço um apelo ao poder público para que seja esse facilitador aos que estão em dificuldades”, disse. Allyson apresentou sugestões para que as prefeituras suspendam as cobranças de IPTU relativas a 2020 e 2021 e reduzam o Imposto Sobre Serviços (ISS).

Covid-19: Brasil bate novo recorde de mortes registradas em um dia

Cemitério Parque Taruma, em Manaus.

© Reuters / Bruno Kelly / Direitos Reservados

Nas últimas 24h, foram registrados 600 óbitos

Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Bancoc e Brasília

O Brasil bateu novo recorde de novas mortes por covid-19 registradas em um dia: 600. Segundo atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta terça-feira (5), o total subiu para 7.921. A marca representou um aumento de 8% em relação a ontem, quando foram contabilizados 7.321 falecimentos. O índice de letalidade ficou em 6,9%.

O Brasil chegou a 114.715 pessoas infectadas. Nas últimas 24horas,  foram adicionadas às estatísticas mais 6.935 casos confirmados, incremento de 6% casos em relação a ontem, quando foram registradas 107.780 pessoas nessa condição. Após declínio estatísticas de novos casos em 24h no fim de semana, o número voltou a crescer e se aproximou do recorde de 7.218, registrado na quinta-feira (30/4).

De acordo com o Ministério da Saúde, deste total, 58.573 estão em acompanhamento (51,1%) e 48.221 (42%) já foram recuperados, deixando de apresentar os sintomas da doença. Ainda são investigadas 1.579 mortes.

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, destacou que o número de mortes se refere aos óbitos registrados nessa data, e não significa que ocorreram nas últimas 24h, ou seja, abrange também óbitos em dias anteriores cuja investigação foi concluída e adicionada às estatísticas nas últimas 24h.

Covid-19 nos estados

Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde
Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde – Ministério da Saúde

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (2.851). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (1.213), Ceará (795), Pernambuco (749) e Amazonas (649).

Além disso, foram registradas mortes no Pará (369), Maranhão (271), Bahia (146), Espírito Santo (133), Paraná (99), Minas Gerais (94), Paraíba (85), Alagoas (80), Rio Grande do Sul (79), Rio Grande do Norte (68), Santa Catarina (55), Amapá (55), Goiás (38), Distrito Federal (33), Piauí (29), Acre (29), Sergipe (21), Rondônia (29), Mato Grosso (13), Mato Grosso do Sul (10), Roraima (11) e Tocantins (7).

Distanciamento social

O secretário Wanderson de Oliveira informou que a equipe da pasta se reuniu com secretários estaduais para discutir o enfrentamento à pandemia. Ele comentou as medidas adotadas em alguns lugares, como no Maranhão, de fechamento mais rígido (ou lockdown, no termo em inglês).

“É medida complexa. Todos os secretários quando pensam neste assunto estão refletindo porque o impacto é muito negativo, mas o Ministério da Saúde está à disposição para apoiá-los. A decisão é do gestor local. São medidas temporárias que devem ser proporcionais e restritas a cada localidade”, observou.

Perguntado sobre quando será o pico da pandemia, ele respondeu que não é possível precisar e que a evolução será diferente em cada local e depende dos efeitos de medidas como o distanciamento social, que achata e prolonga a curva de contágio. Mas previu que de maio a julho deverão ser meses em que a pandemia seguirá preocupando.

Oliveira relatou que 1,6 milhão de testes laboratoriais e 3,4 milhões de testes rápidos já foram entregues a autoridades estaduais e municipais de saúde. Da promessa de 24 milhões de exames, esse montante está sendo adquirido. Ele ressaltou que é um alto volume é que os fabricantes assumiram um cronograma de entrega, sem detalhar quando a totalidade dos kits deverá estar disponível.

Diante da falta de exames para testar muitas pessoas, o secretário defendeu uma estratégia de monitoramento das pessoas gripadas e de quem teve contato com essas. Ele anunciou que o governo deve lançar um sistema de monitoramento eletrônico, para além do já existente hoje, que coleta dados por meio de ligações telefônicas.

Permanência no cargo

Wanderson de Oliveira também respondeu perguntas sobre seu cargo. Ele era da equipe do ex-titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta. O gestor afirmou que foi convidado pelo novo ministro da Saúde, Nelson Teich, a continuar no cargo.

Edição: Liliane Farias

Após renovação de decreto estadual, confira quais serviços estão autorizados para funcionamento

Em continuidade às ações de controle e enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), o Governo do Rio Grande do Norte confirmou nesta terça-feira (05), através do Decreto Nº 29.668, a prorrogação até 20 de maio as medidas de saúde para o combate à pandemia.

Durante o período, a lista de atividades essenciais disponibilizam os seguintes serviços abaixo e seu consequente funcionamento.

podologia;

construção civil;

produção, distribuição, comercialização e entrega, realizadas presencialmente ou por meio do comércio eletrônico, de produtos de saúde, higiene, alimentos, bebidas não alcoólicas, tecidos, aviamentos, armarinhos, materiais de construção ou reforma e de suprimentos agrícolas, incluindo mercados, supermercados, hipermercados, quitandas, açougues, peixarias, padarias, distribuidores, atividades de venda e locação de automóveis, o funcionamento de lojas de construção com ar-condicionado e lojas de conveniência;

Os escritórios de advocacia privada também estão autorizados a funcionar, bem como atividades necessárias a viabilizar a entrega de cargas e o transporte em geral, incluindo oficinas, borracharias e lojas de autopeças; oficinas de máquinas e equipamentos agrícolas.

Além disso, também podem funcionar com as restrições sanitárias:

hotéis, flats, pousadas e acomodações similares;

serviços de locação de máquinas, equipamentos e bens tangíveis;

atividades de agências de emprego e trabalho temporário;

serviços de reparo de computadores e bens pessoais domésticos e serviços de lavanderia;

atividades financeiras, de seguros e de contabilidade;

serviços de venda e locação de imóveis; e serviços de higiene pessoal, incluindo barbearias, cabeleireiros e manicures.

O novo decreto esclarece que a suspensão de atividades não atinge as indústrias e recomenda, sempre que possível, um horário exclusivo para o atendimento de clientes do grupo de risco da pandemia. Determina ainda a obrigatoriedade na utilização de máscaras, sejam industriais ou caseiras, ao acesso dos estabelecimentos que estão em funcionamento.

Flamengo anuncia acordo com jogadores para redução de 25% dos salários em maio e junho

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

O Flamengo anunciou nesta terça-feira que chegou a um acordo com os jogadores para redução de 25% dos salários e postergação de direitos de imagem. A medida é uma consequência da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, que interrompeu as competições. Ela valerá para os meses de maio e junho de 2020 e, passado esse período, a situação será novamente analisada.

Por meio de nota, o Flamengo informou ainda que os direitos de imagem, que seriam pagos em maio e junho de 2020, serão quitados em dez parcelas a partir de janeiro de 2021. O acordo não contempla o técnico Jorge Jesus e sua comissão.

Na nota, o clube cita ainda que a demissão de 6% dos funcionários, feita após as férias coletivas, foi uma necessidade “dolorosa”.

– As medidas tomadas esta semana (a mais dolorosa delas sendo a redução de aproximadamente 6% de seu quadro de colaboradores), aliadas a este importante acordo com os jogadores, ajudarão o Clube: a quitar todos os direitos trabalhistas dos ex-colaboradores; a preservar ao máximo o emprego e o pagamento em dia de mais de mil colaboradores, entre funcionários e atletas; a manter a prestação dos serviços para os 16 mil sócios da sua sede social e a continuar com a performance esportiva de excelência em todos seus esportes, desejo dos 42 milhões de torcedores que formam a Nação Rubro-Negra – diz a nota.

Veja a nota completa:

“A crise econômica resultante da pandemia da COVID-19 é grave e afeta a todos. Infelizmente, medidas duras são necessárias de forma a garantir a continuidade de todas as instituições e empresas. O Clube de Regatas do Flamengo, apesar de seu tamanho e sua situação financeira equilibrada, não está imune a isto.

Dentro desta nova realidade econômica, o Clube e seus jogadores do elenco do futebol profissional comunicam que firmaram um acordo de redução salarial e postergação de direitos de imagem, que valerá para os meses de maio e junho de 2020. Após este período, será feita uma nova avaliação a respeito dos impactos econômicos da pandemia e serão discutidos eventuais ajustes.

Para este primeiro momento, todo o elenco profissional de jogadores autorizou ao Clube uma redução correspondente a 25% de seus salários relativos aos meses de maio e junho de 2020. Além disso, autorizou ainda a postergação dos direitos de imagem que seriam pagos em maio e junho de 2020 para quitação em 10 parcelas, a partir de janeiro de 2021. Este acordo será formalizado entre o clube e os atletas nos próximos dias.

As medidas tomadas esta semana (a mais dolorosa delas sendo a redução de aproximadamente 6% de seu quadro de colaboradores), aliadas a este importante acordo com os jogadores, ajudarão o Clube: a quitar todos os direitos trabalhistas dos ex-colaboradores; a preservar ao máximo o emprego e o pagamento em dia de mais de mil colaboradores, entre funcionários e atletas; a manter a prestação dos serviços para os 16 mil sócios da sua sede social e a continuar com a performance esportiva de excelência em todos seus esportes, desejo dos 42 milhões de torcedores que formam a Nação Rubro-Negra.

Por fim, o Flamengo reafirma sua plena certeza de que, juntos, venceremos mais este desafio”.

Globo Esporte

China acelera produção de vacina contra coronavírus, mas farmacêuticas do país têm histórico de corrupção e ineficácia

Foto: NICOLAS ASFOURI/AFP / NICOLAS ASFOURI/AFP

Desesperada para proteger sua população e evitar as crescentes críticas internacionais de como lidou com o surto de coronavírus, a China reduziu a burocracia e ofereceu recursos a empresas farmacêuticas para encontrar uma vacina contra o vírus causador da Covid-19. Quatro empresas chinesas começaram testes em seres humanos, mais iniciativas do que as que estão em curso nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha juntos. A informação é do jornal americano “New York Times” (NYT).

No entanto, a indústria de vacinas chinesa passa por uma crise de confiança. Apenas dois anos atrás, foi descoberto que vacinas ineficazes haviam sido dadas principalmente a bebês, o que deixou pais chineses em fúria. Por isso, não bastam descobrir a vacina, mas reconquistar a confiança da população.

— Os chineses agora não têm confiança nas vacinas produzidas na China — disse Ray Yip, ex-chefe da Fundação Gates na China, ao New York Times. — Essa provavelmente será a maior dor de cabeça. Se eles não tiveram todos esses requisitos, as pessoas provavelmente vão buscar (a imunização) em outros locais.

Além da urgência — já que o número oficial de mortes no mundo é de 247 mil pessoas, apesar de haver claros indícios de subnotificação —, a China quer evitar as acusações internacionais de que o negligenciamento de alertas precoces contra a doença tenha contribuído para a pandemia global. Por isso, diz o NYT, a vacina se tornou uma prioridade nacional. Um alto funcionário do governo asiátco disse ao jornal americano que uma vacina para uso emergencial pode estar pronta em setembro.

Pequim, avalia a reportagem, pode pressionar empresas e cientistas para alcançar objetivos nacionais. “Ao mesmo tempo, as empresas de vacinas da China estão acostumadas a um sistema político fechado que tem um histórico de encobrir escândalos de segurança e as protege da concorrência estrangeira. Poucos investem pesadamente em pesquisa e desenvolvimento e não descobriram muitos produtos com impacto global”, explica o jornal.

Candidatas

As quatro pesquisas que já estão testando em humanos são de CanSino Biologics, Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, Sinovac Biotech e o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim.

A primeira é uma farmacêutica de Tianjin, braço de ciências médicas do Exército de Libertação Popular. A candidata dela já foi testada em 508 pessoas e está na Fase 2. Um estudo da Universidade de Oxford na Fase 1, ou seja, em estágio inicial, foi administrado a um número de pessoas duas vezes maior. O Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, um braço do Sinopharm Group, que é estatal, também está na Fase 2. Já os estudos da Sinovac e do o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim, que também pertence à Sinopharm, estão na Fase 1.

Alguns deles, no entanto, estão envolvidos em escândalos de corrupção. É o caso, por exemplo, do Instituto Wuhan. Em 2018, a empresa foi acusada de aplicar em milhões de bebês vacinas sem eficácia para doenças como difteria e tétano. A China multou a empresa em US$ 1,3 bilhão, puniu nove executivos e dezenas de funcionários foram demitidos. A empresa também foi condenada na Justiça por subornar chefes de centros locais de controle de doenças por comprarem seus produtos.

A Sinovac Biotech também sofre acusações. Segundo o NYT, investigações apontam que o gerente geral da Sinovac Biotech deu, entre 2002 e 2014, ao vice-diretor da China encarregado das avaliações de medicamentos quase US$ 50 mil para ajudar a empresa com as aprovações de medicamentos. Documentos apontam que o responsável pela operação é o atual executivo-chefe da empresa.

As empresas não responderam aos pedidos de reportagens feitos pelo New York Times.

Apesar dos escândalos, alguns procedimentos científicos foram apressados para se chegar mais rapidamente ao resultado. O país aprovou, por exemplo, que as empresas pudessem executar combinadas as duas primeiras fases, uma decisão questionada por vários cientistas chineses, que consideravam que os resultados de segurança da primeira fase deveriam ser avaliados antes do início da segunda fase.

— Entendo a expectativa ansiosa das pessoas por uma vacina — disse Ding Sheng, ao Diário do Povo, o jornal oficial do Partido Comunista.

Sheng é reitor da escola de farmácia da Universidade Tsinghua em Pequim. Segundo ele, empresas estavam “adotando métodos não convencionais” no estágio pré-clínico da pesquisa, executando tarefas como o processo de design e modelagem de animais ao mesmo tempo. Isso deveria, segundo Sheng, ser executado uma após a outra.

— Do ponto de vista científico, por mais ansiosos que sejam, não podemos baixar nossos padrões — defende.

O Globo

Título de eleitor: prazo para regularizar documento termina nesta quarta-feira

Termina nesta quarta-feira (6) o prazo para regularizar o título de eleitor. O cadastro deve ser feito pelo atendimento online – plataforma do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e vale para todo o país.

Para acessar os serviços é preciso entrar no site e abrir a aba de “passo a passo” e, então, dar início à solicitação. Quem vai votar pela primeira vez pode solicitar o título pela internet.

Já o cidadão que não votou e nem justificou na última eleição deve regularizar a situação. É possível consultar se há débito com a Justiça Eleitoral e emitir a guia para o pagamento da multa, no valor de R$ 3,50.

Governo do Estado decide prorrogar regras de isolamento social por 15 dias

Secretário adjunto de Saúde Petrônio Spinelli

O Secretário adjunto de Saúde disse que decreto em vigor já permitiria o isolamento de 60% da população e bastaria o seu cumprimento para diminuir a circulação de pessoas – o que diminuiria a escalada de casos da Covid-19, mas população não obedece completamente

O secretário adjunto de Saúde Pública do Rio Grande do Norte, Petrônio Spinelli, atribuiu nesta segunda-feira (4) o aumento no número de casos da Covid-19 no Estado ao descumprimento das regras de isolamento social. “A situação não é fácil, está piorando e o colapso da rede hospitalar pode ocorrer rapidamente. A população precisa aumentar o isolamento, ficar em casa e adotar as medidas protetivas”, afirmou o secretário, na coletiva diária do Governo do Estado com a atualização das ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Segundo Spinelli, o decreto estadual em vigor já permitiria o isolamento de 60% da população e bastaria o seu cumprimento para diminuir a circulação de pessoas – o que diminuiria a escalada de casos da Covid-19. No entanto, o isolamento tem oscilado entre 45% e 50%, segundo o governo.

O secretário alerta que, mesmo com o aumento da oferta de leitos, como ocorreu na semana passada nos hospitais da Polícia Militar e Giselda Trigueiro, em Natal, e no Hospital São Luiz, em Mossoró, a capacidade de atendimento fica fortemente comprometida.

“Os leitos instalados e em instalação podem não ser suficientes. Ou a sociedade aumenta o isolamento ou vamos entrar em colapso nos próximos dias”, reforçou Petrônio. O colapso significa a completa falta de leitos para atendimento das vítimas da Covid-19, tanto na rede pública quanto na privada.

Um exemplo preocupante é o do Hospital São Luiz, em Mossoró, que abriu no dia 1º de maio dez novos leitos e nesta segunda-feira já tinha oito leitos ocupados. O secretário registra que a pandemia está em processo de interiorização e generalização, ou seja, chega a todos os municípios e atinge também pessoas antes consideradas fora dos grupos de risco.

Novo decreto

Diante do aumento dos números da doença (veja mais na Pág. 6), o Governo do RN anunciou que vai prorrogar as medidas restritivas, com a edição de um novo decreto para o enfrentamento à Covid-19. As regras que estão em vigor serão prorrogadas nesta terça-feira (5) por mais 15 dias.

O secretário estadual de Tributação e integrante do Comitê Estadual de Combate ao Coronavírus, Carlos Eduardo Xavier, confirmou para esta terça-feira a publicação do decreto que manterá as atuais restrições ao funcionamento do comércio, suspensão das aulas e a recomendação de manter pelo menos 60% da população em isolamento.

“Hoje, o isolamento fica entre 45 e 50%, mas a recomendação feita por cientistas e especialistas na área de saúde é de pelo menos 60% para conter o contágio e evitar o colapso no serviço público de saúde”, afirmou Carlos Eduardo.

O secretário de Tributação destacou que o governo mantém o diálogo com os poderes, Defensoria Pública, Ministério Público e com o setor produtivo para planejar a retomada das atividades econômicas com segurança. “Temos grupo de trabalho fazendo estudos, mas é preciso voltar às atividades com segurança. O novo decreto deve prorrogar medidas por mais 15 dias com os mesmos critérios do anterior”.

Sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, o governo tem contribuído com os municípios e está fornecendo o equipamento de proteção à população mais carente.

“Já temos a recomendação no último decreto editado e estamos recebendo e distribuindo pelo Rio Grande do Norte, de acordo com a capacidade de produção, as máscaras confeccionadas nas oficinas no interior do Estado em parceria com a iniciativa privada. Precisamos contar com todo um esforço da sociedade, das prefeituras, dos órgãos para que essas medidas sejam cumpridas”, destacou.

Fiscalização

Na coletiva, o secretário de Segurança do Estado, coronel Francisco Araújo, falou sobre a força tarefa estabelecida entre Procon-RN, Controladoria Geral do Estado e Polícias Militar e Civil que está fiscalizando estabelecimentos comerciais e aplicando multas àqueles que descumprem regras estabelecidas pelos decretos estaduais, como a que não permite mais de uma pessoa da mesma família em compras em supermercados.

Da mesma forma, aquelas pessoas que insistem em fazer aglomeração e fazer eventos estão sendo detidas e levadas para a delegacia.

O secretário de Segurança do Estado, Francisco Araújo, também reforçou a necessidade de a população obedecer às normas. “O sistema de segurança continua atuando na proteção das pessoas e no cumprimento às regras do decreto que determina medidas para os estabelecimentos comerciais e para a sociedade, entre elas, que sejam evitadas aglomerações, passeatas e carreatas. Portanto, quem infringir e desobedecer será detido e conduzido a prestar esclarecimentos”.

Butantan busca desenvolver vacina alternativa contra covid-19

Profissional de saúde realiza teste para o novo coronavírus em Brasília

© Reuters/Ueslei Marcelino/Direitos Reservados

Pesquisadora defende estratégias diferentes em época de pandemia

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Pesquisadores do Instituto Butantan, na capital paulista, estão utilizando técnicas inovadoras de biotecnologia para desenvolver uma vacina alternativa contra a covid-19. O instituto espera que a nova abordagem sirva como uma espécie de plano B, caso as vacinas feitas pelo modelo tradicional, já em teste em alguns países, não tenham resultado satisfatório.

Segundo o Butantan, a vacina que o instituto está desenvolvendo utiliza um mecanismo usado por algumas bactérias para enganar o sistema imunológico humano: elas produzem pequenas bolhas, ou vesículas, feitas com material de suas membranas para atrapalhar as células de defesa. Dessa forma, o sistema imunológico passa a atacar também as bolhas, diminuindo a agressão contra as bactérias.

Os pesquisadores do instituto pensam em fazer o mesmo, fabricando essas bolhas em laboratório, mas, em vez de usar a membrana das bactérias, vão acoplar nas vesículas proteínas de superfície do novo coronavírus. Assim, em contato com o sistema de defesa, as bolhas criariam uma memória imunológica no organismo, estimulando a produção de anticorpos específicos contra o coronavírus.

De acordo com o Butantan, as vesículas são muito imunogênicas, ou seja, têm alta capacidade de estimular a resposta imune ao entrar em contato com o organismo. Segundo o instituto, estudos recentes mostram que elas têm grande capacidade de ativar células de defesa do organismo.

“No mundo todo, e aqui no Brasil também, estão sendo testadas diferentes técnicas. Muitas delas têm como base o que já estava sendo desenvolvido para outros vírus, como o que causou o surto de Sars [síndrome respiratória aguda grave] em 2001. Esperamos que funcionem, mas o fato é que ninguém sabe se vão realmente proteger. Neste momento de pandemia, não é demais tentar estratégias diferentes. A nossa abordagem vai demorar mais para sair, mas, se aquelas que estão sendo testadas não funcionarem, já temos os planos B, C ou D”, destacou a pesquisadora Luciana Cezar Cerqueira Leite, do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do Instituto Butantan.

A pesquisa está sendo apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Edição: Nádia Franco

INSPIRADAS NO CONGRESSO, ASSEMBLEIAS SEGUEM COM SESSÕES REMOTAS EM MAIO

Em tempos de pandemia do novo coronavírus em todo o mundo, as reuniões e sessões ordinárias têm sido virtuais para evitar contato entre pessoas e aumento no número de contaminados e pacientes internados pela Covid-19. Neste mês de maio, os parlamentos devem votar projetos importantes para estados, municípios e federação, mantendo a rotina de trabalho do Poder Legislativo.

“No Rio Grande do Norte, o Distema de Deliberação Remota tem sido bem aplicado pelos deputados estaduais. Votamos projetos, deliberamos e encaminhamos matérias no plenário virtual com bons resultados”, destaca o presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira (PSDB).

Ainda nesta semana, as votações de projetos que tramitam nas comissões da Casa – ocorrerão durante sessão – e os deputados votarão através de um aplicativo desenvolvido pela Diretoria de Gestão Tecnológica para atender ao período de calamidade pública.

O sistema virtual também já é utilizado para as reuniões das comissões, a exemplo da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A população pode acompanhar as reuniões, sessões e debates que ocorrem na Assembleia Legislativa através da Tv Assembleia (canal 51.3), do site www.al.rn.leg.br e também das redes sociais @assembleiarn.

A atuação do Parlamento através do sistema remoto deverá acontecer até 29 de maio, como prevê a resolução da Mesa Diretora publicada na semana passada.

EUDIANE DIZ QUE PODERES DEVEM SE UNIR PARA DAR SUPORTE A HOSPITAL DE CAMPANHA

Com a abertura do Hospital Municipal de Campanha de Natal, nesta segunda-feira (4), para receber pacientes com indicação de internação com quadro confirmado ou suspeito da Covid-19, a deputada Eudiane Macedo (Republicanos) ressaltou a necessidade de união dos poderes para dar suporte à unidade. A parlamentar visitou a estrutura acompanhada do colega deputado Ubaldo Fernandes (PL).

“O que vimos foi uma boa estrutura no local, mas temos que considerar a possibilidade real de pacientes do interior que podem vir encaminhados para Natal, aumentando a demanda diária”, alertou a parlamentar. Como a porta de entrada são as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), os pacientes de outros municípios serão regulados para o Hospital de Campanha de Natal.

Eudiane e Ubaldo foram ao local, antes da abertura oficial, a convite do médico e professor voluntário Joca Marinho, que chamou a atenção para a união de todos os entes públicos a fim de garantir o suporte financeiro para o bom funcionamento do hospital. Os parlamentares também foram recebidos pelo diretor da unidade, Marcelo Noronha.

A unidade possui 50 quartos somando 100 leitos e mais uma sala de estabilização para os pacientes que tiverem o quadro agravado, além de contar com equipamentos de raio-x e tomógrafo tão importantes para o acompanhamento dos pacientes com Covid-19.

Em novo boletim, ministério confirma 107,7 mil infectados por covid-19

Pedestre utiliza máscara de proteção contra covid-19 na avenida Paulista.

© Rovena Rosa/Agência Brasil

A partir de hoje, serão duas atualizações diárias sobre a pandemia

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Ministério da Saúde (MS) divulgou, às 20h45, a segunda atualização dos dados do novo coronavírus referentes ao dia de hoje (4), representando uma nova metodologia de divulgação dos dados. As informações mais recentes dão conta de 107.780 pessoas contaminadas, sendo 6.633 registros a mais (7%) em relação a ontem (3). A partir de hoje, segundo informou a assessoria do Ministério da Saúde, a pasta divulgará dois balanços diários, um às 15h e outro às 19h.

O número de mortes subiu para 7.321, sendo 296 mortes nas últimas 24h. Além disso, o número de pessoas recuperadas da doença chegou a 45.815, o equivalente a 42,5% do total de casos. Estão em acompanhamento 54.644 (50,7%) dos pacientes confirmados e 1.427 mortes continuam em investigação.

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (2.654). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (1.065), Ceará (712), Pernambuco (691) e Amazonas (584).

Visita a Manaus

O ministro da Saúde, Nelson Teich, visitou hoje hospitais na capital do Amazonas. Acompanhado do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, Teich visitou as instalações do Hospital de Campanha Municipal Gilberto Novaes, além do Hospital de Retaguarda Nilton Lina e do Hospital Delphina Rinaldi Abdel Azir. O ministro também se reuniu com autoridades locais para acompanhar as ações desenvolvidas no enfrentamento à covid-19. O ministro viajou ontem a Manaus, que tem registrado o quinto maior número de casos (7.242) e mortes (584) do país.

Edição: Aline Leal

Brasil tem 96,5 mil casos de coronavírus e 6,7 mil mortes registradas

Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19

© Reuters© – Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19

Ministério registrou 4,9 mil novos casos e 421 mortes em 24 horas

Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Ministério da Saúde divulgou hoje (2) novos números sobre a pandemia do novo coronavírus (covid-19) no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem 96.559 casos confirmados da doença e 6.750 mortes foram registradas. A taxa de letalidade está em 7%. Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 4.970 novos casos e 421 mortes.

Segundo o Ministério da Saúde, há 40.937 pacientes recuperados, o que corresponde a 42,4% dos casos. Existem ainda 1.330 mortes em investigação. Essas duas estimativas, de acordo com a pasta, estão sujeitas a revisão.

O estado de São Paulo lidera as estatísticas, com 31.174 casos e 2.586 mortes. O Rio de Janeiro vem em segundo lugar, com 10.546 casos e 971 mortes. Em seguida, vêm Ceará, com 8.309 casos e 638 mortes; Pernambuco, com 8.145 casos e 628 mortes; e Amazonas, com 6.062 casos e 501 mortes.

Em 11 de março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou situação de pandemia de coronavírus em todos os países. O termo é usado quando uma epidemia – grande surto que afeta uma região – se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa.

Agência Brasil reuniu as principais dúvidas e perguntas sobre covid-19. Veja o que se sabe sobre a pandemia e sobre o vírus até agora.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Ex-ministro Sérgio Moro chega para depor à Polícia Federal, em Curitiba

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, chegou para depor na Superintendência da Polícia Federal (PF), por volta das 13h50 deste sábado (2). A previsão é que o depoimento comece às 14h.

Moro será questionado sobre as acusações de que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no trabalho da PF e em inquéritos relacionados a familiares. As acusações foram feitas pelo ex-ministro quando ele anunciou sua saída do governo, há uma semana.

O inquérito foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e vai investigar se as acusações de Moro são verdadeiras. Se não forem, o ex-ministro poderá responder na Justiça por denunciação caluniosa e crimes contra a honra.

Dezenas de manifestantes estão aglomerados em frente à PF desde o início da manhã. Há grupos a favor do ex-ministro e também a favor do presidente Bolsonaro. Eles estão reunidos com faixas, cartazes, carro de som e gritam palavras de ordem.

O depoimento foi determinado pelo ministro Celso de Mello, relator do caso, e será colhido presencialmente por delegados da PF e acompanhado pelos procuradores que tiveram autorização do ministro Mello. São eles: João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

De acordo com informações da RPC, Moro será ouvido em uma sala ampla com a distância recomendada por causa do coronavírus e com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

G1

Covid: aumento do número de casos alerta para risco de esgotamento de leitos no RN

Foto: reprodução/YouTube

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesap) registrou crescimento de internações na rede pública e privada em todo o estado, com 199 pessoas internadas, sendo 105 internações em leitos críticos e 94 em leitos clínicos. Os dados relativos à pandemia foram apresentados à imprensa em coletiva neste sábado, 02, e ainda revelaram que a rede estadual atende, atualmente, 54 casos em leitos críticos, um crescimento de 11%.

“Isso acende o sinal de alerta para risco de esgotamento de leitos, visto que a ativação das vagas que realizamos nos últimos dias pode não ser suficiente para os que necessitam de assistência em situação crítica que demanda assistência ventilatória, casos de UTI. E as pessoas mais contaminadas são aquelas em idade produtiva, que precisam reforçar os cuidados”, enfatizou o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia.

Atualmente, na região metropolitana de Natal há 52 leitos em funcionamento e novas 40 vagas em UTIs serão efetivadas nos próximos dias. Em Mossoró, há 67 leitos em funcionamento e outros 75 estão em fase de implantação.

Ainda de acordo com Cipriano, “As aglomerações em frente aos prédios da Caixa Econômica preocupam o Governo do Estado. Por isso estamos intensificando junto ao banco medidas para evitar as aglomerações e agilizar os atendimentos. Esse contato das pessoas nas filas sem o distanciamento e sem o uso de máscaras vai eclodir entre 7 e 15 dias, quando os casos de contaminados aumentarão. Todo o esforço que o Estado tem feito há mais de um mês é para evitar as projeções catastróficas”.

Os dados da Sesap deste sábado mostram que há 1.359 casos confirmados, presentes em 71 municípios. Há 4.834 casos suspeitos, outros 4.254 foram descartados, 415 já foram recuperados (pessoas que tiveram alta nos hospitais), 59 óbitos foram notificados e há 18 casos de morte em investigação.

De acordo com Cipriano Maia, “Estamos com casos confirmados em quase metade do Estado, com maior incidência em regiões como Oeste, Assú e do Alto Oeste, polarizada em Pau dos Ferros. Os casos de óbitos já ocorreram em 22 municípios mostrando que a letalidade está distribuída em todo o Rio Grande do Norte. São números que chamam a atenção e nos mostram que toda a sociedade deve manter cuidados como o uso das máscaras, distanciamento social e evitar aglomerações”, disse o titular da Sesap.

Segundo o órgão, os municípios têm colaborado com o Governo do Estado ao adotarem o uso obrigatório de máscaras pela população. Nas cidades do interior, onde as feiras livres são importantes pontos de abastecimento, deve ser obedecido o distanciamento entre barracas e entre transeuntes, que devem sempre estar usando máscaras. No RN, o índice de contágio está próximo a três – quando uma pessoa contaminada pode contaminar até outras três.

“Portanto, a atitude de cada um é decisiva para controlarmos a progressão de casos. Toda atenção e cuidado é necessário, de forma responsável. Já temos regiões onde não há mais leitos disponíveis. Na região de Mossoró, realizamos uma expansão com novos leitos no Hospital São Luiz e no Tarcísio Maia. Também estamos ampliando leitos em Pau dos Ferros. Devemos lembrar que necessitamos de vagas, ainda, para outros tipos de doenças e a sociedade deve colaborar com as mediadas de proteção e isolamento social”, lembrou Cipriano.

Com a evolução dos dados epidemiológicos, o Governo do Estado deve prorrogar as medidas de saúde para o enfrentamento do novo coronavírus (Covid-19), adotadas no âmbito do RN, de acordo com o decreto publicado no dia 22 de abril com validade até o dia 5 de maio. Novas ações deverão ser discutidas com setores da sociedade, como os de comércio e serviços, visando reduzir os impactos causados pela pandemia.

Vídeo: Irmã Lila cobra ao Governo do RN reabertura de Hospital de Canguaretama (RN)

A presidente da Câmara Municipal de Canguaretama (RN), vereadora Irmã Lila (PSDB) defende a reabertura do Hospital Regional, fechado desde o ano passado por sugestão do secretário Cipriano Maia (Sesap), para se transformar em uma opção para o tratamento de pacientes com coronavírus, na região Agreste.

“Nosso município e região precisa de ações em defesa da população. O Hospital de Canguaretama precisa ser reaberto e ajudar no combate ao Covid-19. É inadmissível vê-lo fechado, e toda uma região ter que sofrer com deslocamento e distância dos familiares para ser atendida em Natal”, frisa Irmã Lila, lembrando que a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) não colocou nenhuma unidade hospitalar do Agreste, como referência ao Covid-19.

O Hospital de Canguaretama era um dos principais do Agreste, até ser fechado em 2019. “Estamos organizando as Câmaras Municipais do Agreste junto com prefeitos interessados e juntos mobilizar a região. Não podemos admitir que o Agreste, hoje com quase 200 mil habitantes fique sem uma unidade de referência para a Covid-19”, frisa a presidente da Câmara Municipal.

De acordo com o Boletim Epidemiológico desta sexta-feira (1), divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), a Região Agreste tem hoje 162 casos suspeitos, 66 casos confirmados, seis óbitos e dois sendo investigados. Dessas seis mortes, três foram em Canguaretema, que ainda tem 15 casos confirmados de Covid-19 e 25 casos suspeitos.

Veja vídeo em que ela cobra a reabertura ao Governo do RN:

Futuro presidente do TSE já admite adiar eleições: “em poucas semanas ou no máximo em dezembro”

O ministro Luís Roberto Barroso, futuro presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou nesta sexta-feira (1º) que há um “risco real” de que as eleições municipais de outubro, para escolha de novos prefeitos e vereadores, sejam adiadas em razão da pandemia do novo coronavírus. Segundo Barroso, se não houver condições para realizar as eleições em outubro, o pleito, na avaliação dele, teria de ser feito “em poucas semanas, ou no máximo em dezembro, para não haver risco de se ter que prorrogar mandatos”.

Barroso se disse ainda contrário à hipótese de se fazer a eleição municipal junto com a eleição nacional, em 2022, o que exigiria a prorrogação por dois anos dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores. “Sou totalmente contra essa possibilidade. A democracia é feita de eleições periódicas e alternância no poder”, afirmou. “Os prefeitos e vereadores que estão em exercício neste momento foram eleitos para quatro anos.”

“Por minha vontade, nada seria modificado porque as eleições são um rito vital para a democracia. Portanto, o ideal seria nós podermos realizar as eleições. Porém, há um risco real, e, a esta altura, indisfarçável, de que se possa vir a ter que adiá-las”, afirmou o ministro em transmissão ao vivo em uma rede social promovida pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

FONTE:G1 https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2020/noticia/2020/05/01/futuro-presidente-do-tse-ministro-roberto-barroso-ve-risco-real-de-adiamento-das-eleicoes-deste-ano.ghtml