Nova Cruz/RN -

07 de setembro em Nova Cruz

NOVA CRUZ REALIZA DESFILE EM HOMENAGEM AO DIA 7 DE SETEMBRO Foto: DivulgaçãoPrefeito Flávio Azevedo, Presidente da Câmara, Antonio Gomes e Major Linhares no momento do hasteamento das bandeiras do Brasil, Rio Grande do Norte e Nova Cruz.
A cidade de Nova Cruz encerrou um grande evento cívico no dia de ontem (07/09) pela manhã, que contou com a participação de 36 escolas estaduais, municipais e privadas. O dia da independência teve a participação dos alunos das escolas, dos militares e de funcionários de programas assistenciais e secretarias do município.

36 escolas municipais, estaduais e privada participaram do desfiles de 07 de setembro Grupo Tático do 8º BPM de Nova Cruz, também desfilou no dia 07 de setembro Tropa Militar do 8º Batalhão de Polícia Militar desfilaram no dia 07 de setembro em Nova Cruz No palanque oficial, lideranças políticas e autoridades militares assistiram o desfile

Com o comparecimento em massa do publico que marcou presença para observar o primeiro desfile na gestão do prefeito Flávio Azevedo. Cada escola adotou um tema tanto a da rede estadual e municipal, quanto a privada. E todas se dedicaram e mostraram de maneira simplificada a arte e cultura do nosso município. Este ano a Prefeitura fez diferente entregou o fardamento a todos os alunos da rede municipal escolar. Todos os setores da administração mostraram as suas ações.

Prefeito Flávio Azevedo ao lado das autoridades militares e secretários municipais
No palanque oficial a presença do prefeito Flávio Azevedo, presidente da Câmara, Antonio Gomes, Diretor da 3ª DIRED, Pe. Adelson Rodrigues, Padre Edilson, vereadores: Gelson Vitor, Dinho, Luis da Costa Prudêncio, militares, secretários municipais, autoridades e lideranças políticas que acompanharam o desfile.
Na opinião do prefeito Flávio Azevedo, que conferiu tudo de perto. “ Foi um momento muito importante, oportunidade que homenageamos o dia da independência do país, e também serviu para gente da visibilidade naquilo que nós estamos realizando pelos diversos setores da nossa administração, eu desde já agradeço a todos que contribuíram direto ou indiretamente para a realização desse brilhante evento”, acrescentou o prefeito.

Veículos da secretaria de Saúde participaram do desfile no dia 07 de setembroCooperativa de Alternativos de Taxi e Mototaxi particiaparam do evento

Palanque oficial da Prefeitura Municiopal de Nova Cruz

Equipe da Educação do município de Nova Cruz participaram do evento

Prefeito Flávio Azevedo ao lado de todos os secretários do município e vereadores
Prefeito Flávio ao lado da sua família, esposa Ana Karla e as suas duas filhas, Eva Cistina esposa do secretário de Finanças, Vensceslau Braz e o secretário de Agricultura, Marcelo Lapenda.

NOTÍCIAS
TRABALHANDO PRA VALER
SECRETARIA DE OBRAS REALIZA AÇÕES EM NOVA CRUZ

Estradas vicinais sendo recuperadas é mais uma ação da secreatria de obras e de serviços urbanos
A Prefeitura Municipal de Nova Cruz, através da secretaria de obras e de serviços urbanos vem realizando varias ações junto ao município. De maneira simplificada, o secretario Romildo Barbosa mostra o que já foi realizado. São pequenas obras, mais de suma importância para o desenvolvimento do município. Diversas ruas já foram realizadas sistema de limpeza, recuperação de calçamentos, serviços de tapa buraco com camada de asfalto, e de capinação, como também serviços de drenagem em algumas ruas da sede do município. Como também do melhoramento nas estradas vicinais e recuperação da frota de veículos leve e pesado da Prefeitura.

Mais de 32 ações já foram realizadas pela secretaria de obras e serviços urbano do município de Nova Cruz. Quantos as estradas vicinais foi realizada uma parceria entre Prefeitura e o DNOCS que conseguiu liberar uma patrol que continua no trabalho de recuperação das estradas do município.

Prefeitura Municipal de Nova Cruz

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA CRUZ ENTREGA FARDAMENTO AOS ALUNOS DA REDE ESCOLAR MUNICIPAL
Prefeitura Municipal de Nova Cruz, através do prefeito Flávio Azevedo entregou pela primeira vez na historia de Nova Cruz, um completo fardamento para os estudantes da rede escolar municipal. O desfile de 07 de setembro contará com outra novidade será apresentação das escolas municipais da zona rural. Fotos:Divulgação

Todos os alunos da rede escolar municipal de Nova Cruz receberam o fardamentoMAIS UM NOVO VEÍCULO TIPO AMBULÂNCIA CHEGOU A NOVA CRUZ

SAÚDE
O setor da saúde da cidade de Nova Cruz é mais um que está avançando nesta nova gestão. Em menos de 7 meses a administração de Flávio Azevedo já adquiriu um veículo tipo ambulância e um uno para cobrir as necessidades do Programa do PSF no município. A secretária Elizabete Carrasco continua realizando um bom serviço a frente da secretaria.
PREFEITO FLÁVIO AZEVEDO E SECRETÁRIA DE AÇÃO SOCIAL, ANA KARLA REALIZA ENTREGA DE CERTIFICADOS DE CURSOS PROFISSIONALIZANTES.
Secretária de Ação Social, Ana Karla no momento da entrega de certificados
Prefeito Flávio Azevedo esteve presente também no momento da entrega dos certificados
O prefeito Flávio Azevedo da cidade de Nova Cruz e a secretária de ação social, Ana Karla, esta semana entregaram no dia (02/09) vários diplomas de cursos profissionalizantes. O ato solene aconteceu na sede da secretaria. Foram implantados 15 cursos profissionalizantes que foram realizados no município de Nova Cruz, que contou com a participação de 300 pessoas.

Estiveram presentes, além do prefeito e da secretária, o diretor geral do NDS, Manoel de França, a coordenadora Samila e os vereadores Gelson Vitor e Dinho. Além dos concluintes dos mais variados cursos.

NOTÍCIAS

AUDIÊNCIA PÚBLICA
A Câmara Municipal de Nova Cruz realizará no próximo dia 10 de setembro, as 10h, uma Audiência Pública, com o Promotor de Justiça da Comarca de Nova Cruz, Pedro Lopes, Membros do CPTRAN, Representantes da Polícia Civil e da Polícia Militar, Motoristas, Motoqueiros e representantes da sociedade Novacruzenses. O assunto em pauta será a Lei 9.503, que determina as normas do Trânsito do Brasil.

VESTIBULAR DA UERN

As inscrições iniciam dia 24 de agosto e encerram em 16 de setembro. A inscrição no PSV/2010 só poderá ser feita pelo site: www.uern.br. Para o Núcleo da UERN de Nova Cruz serão 40 vagas para o curso de Direito (Bacharelado) e 20 vagas para o curso de Ciência da Computação (Bacharelado).

PROJETO
A secretaria estadual A SEJUC encaminhou ao Ministério da Justiça projetos de construção de Cadeias Publicas em 9 Comarcas do Estado. As Comarcas são: Currais Novos, Assu, São Gonçalo do Amarante, Macaiba, Extremoz, Afonso Bezerra, SJ Mipibu, Nisia Floresta e Parnamirim.

FEIRA LIVRE
A tradicional feira livre da cidade de Nova Cruz foi alterada para a próxima terça feira. O motivo da mudança é o desfile que será realizado neste dia 07 de setembro. A Prefeitura Municipal de Nova Cruz esta dando total apoio ao evento.

FESTIVAL DA CANÇÃO
Será no dia 01 de outubro o grande Festival da Canção, na cidade de Nova Cruz, uma promoção da Assembléia Legislativa. Vários municípios já foram contemplados com o evento. A próxima etapa do Festival da Canção será no município de Nova Cruz. A última eliminatória será em Pau dos Ferros e a final será em Natal, em dezembro.

PEC DOS VEREADORES
A Câmara dos Deputados aprovou em comissão especial a PEC que aumenta o número de vereadores nas Câmaras Municipais. Caso entre em vigor ainda nesta legislatura, a PEC vai provocar um aumento de mais 104 vereadores nas Câmaras Municipais do Estado.No Rio Grande do Norte, as câmaras municipais que sofrerão alterações para mais são: Natal (21 para 29), Apodi (9 para 13), Açu (10 para 15), Areia Branca (9 para 11), Baraúna (9 para 11), Caicó (10 para 15), Canguaretama (9 para 11), Ceará Mirim (10 para 15), Currais Novos (9 para 13), João Câmara (9 para 13), Macaíba (10 para 15), Macau (9 para 11), Mossoró (13 para 21), Natal (21 para 29), Nova Cruz (9 para 13), Parnamirim (12 para 21), Pau dos Ferros (9 para 11), São Gonçalo do Amarante (10 para 15), São José de Mipibu (9 para 13), Santa Cruz (9 para 13) e Touros (9 para 11).

DIVISÃO
O governo Wilma de Faria enfrenta divisão perigosa: o que tem de bom, Iberê assume como ideia sua, execução pessoal; o que tem de ruim, é culpa da governadora Wilma. Alguns Wilmistas puros já identificaram a divisão e não estão gostando nada da situação. Afinal, a Guerreira é candidata em 2010 e precisa ficar bem na fita.

ROSALBA
Queira ou não o nome da senadora Rosalba Ciarline começou a ter projeção estadual, através das mãos do senador José Agripino, no ano de 2005. Quando a ex-prefeita na época percorreu ao lado do senador, todo Estado nos encontros do antigo PFL.

CANDIDATURA NAS RUAS
A senadora Rosalba Ciarlini começa a mudar o tom do discurso ao falar sobre a disputa pela sucessão da governadora Wilma de Faria. O chefe de gabinete da prefeitura de Mossoró, Gustavo Rosado, confirmou que Rosalba reuniu aliados e disse que estava iniciando um novo momento e que chegou a hora de se apresentar como nome do DEM na disputa pelo governo.

CABEÇAS DO CONGRESSO
O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) divulgou a 16ª Edição da Publicação “Cabeças do Congresso Nacional”. De acordo com o Diap, os “Cabeças” são aqueles parlamentares que “têm a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações”. Do Rio Grande do Norte três parlamentares estão na lista dos Cabeças elaborada pelo Diap: o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB) e os senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (DEM).

FIM DA REELEIÇÃO
O fim da reeleição para a presidência da Câmara Municipal do Natal foi publicada no Diário Oficial do município. A medida, aprovada pelo Legislativo municipal, alterou a lei orgânica do município prevendo que o presidente e demais integrantes da Mesa Diretora não poderão ser reconduzidos aos cargos na eleição imediatamente subsequente.

PAULINHO FREIRE
Nos meios políticos, a candidatura de Paulinho Freire ao cargo de deputado federal é vista com potencial para arregimentar um contingente mínimo de 50 mil votos e não conflita com a candidatura do deputado estadual Gustavo Carvalho (PSB), que deverá disputar a reeleição para a Assembleia Legislativa e poderá inclusive fazer dobradinha com Paulinho. Paulinho e Gustavo são sócios da empresa Destaque Promoções.

HENRIQUE X GARIBALDI 1
Embora não tenha vindo a público, há uma discussão entre membros do PMDB do Rio Grande do Norte sobre uma questão que não está dando mais para segurar e está prestes a explodir. A questão é para onde o deputado Henrique Alves está arrastando o projeto de reeleição do senador Garibaldi Alves Filho?

HENRIQUE X GARIBALDI 2
Em 2002, Garibaldi fez tudo que estava ao seu alcance para fazer de Henrique Alves seu sucessor no Governo do Estado. Criou e aparelhou a SEGOV para fazer de Henrique o futuro governador. Deu prioridade total ao projeto de Henrique, que só não se concretizou por conta das denúncias que envolveram o deputado.

HENRIQUE X GARIBALDI 3
Em 2006, Garibaldi disputou o Governo do Estado, mesmo tendo predileção pela continuidade no mandato de senador. Ele nunca fez segredo de que prefere o Legislativo ao Executivo. Mas para atender os projetos formulados por Henrique lançou-se e o resultado foi a primeira derrota em sua trajetória política.

HENRIQUE X GARIBALDI 4
Em 2008, visivelmente contrariado, embarcou numa aliança que Henrique engendrou com a governadora Wilma de Faria para fazer Fátima Bezerra candidata do PT a Prefeitura de Natal. Várias vezes, Garibaldi tentou mudar os rumos, entendendo que o projeto era ruim, não foi ouvido, mais uma vez prevaleceu os planos de Henrique.

HENRIQUE X GARIBALDI 5
Para 2010, Garibaldi enxerga os números das pesquisas, observa a realidade por onde anda (e olhe que ele tem andado muito), sabe que tem uma reeleição difícil, numa disputa de titãs com José Agripino e a própria Wilma de Faria. Um passo errado e o risco aumenta. Garibaldi sabe que não pode errar neste jogo político, porque perde o mandato e aniquila sua carreira política.

HENRIQUE X GARIBALDI 6
Mais uma vez vem Henrique insistindo em impor ao senador Garibaldi Filho seu próprio projeto. Garibaldi tem dito que prefere o palanque de Rosalba, mas Henrique tem outros planos em mente. Repete-se a pergunta do início: para onde o deputado Henrique Alves está arrastando o projeto de reeleição do senador Garibaldi Alves Filho?
Fonte:CT (Neto Correia)

Assú: Deputado João Maia discute com lideranças implantação da ZPE do Sertão Foto:DivulgaçãoO deputado federal João Maia esteve neste sábado(5) em Assú, onde se reuniu com lideranças locais e discutiu a implantação no município da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), também chamada de “ZPE do Sertão”.A ZPE já foi aprovada pela Câmara Federal e João Maia foi o relator. O projeto é de autoria da senadora Rosalba Ciarlini.
O pré-candidato a governador pelo PR esteve reunido com o prefeito Ivan Júnior, o ex-prefeito Ronaldo Soares, o presidente da Câmara Municipal Odelmo Rodrigues, vereadores, secretários municipais e o pré-candidato a deputado estadual George Soares.

João Maia disse que a criação da ZPE do Sertão vai gerar muitos empregos na região.“Geralmente uma ZPE costuma atrair empresas estrangeiras, contrata mão-de-obra local, que produz basicamente para exportação. Eu acredito que a ZPE do Sertão, que tem uma área delimitada, é uma esperança não só para o Vale do Açú, mas para a Região Oeste”, afirmou João Maia.Para Ronaldo Soares, depois de instalada e funcionando plenamente, a ZPE do Sertão poderá gerar algo em torno de 50 mil empregos.
Fonte:Oliveira

Doença de Alencar

Alencar: ‘Estou preparado para a morte como nunca’
Fábio Pozzebom/ABrÀs voltas com a 11ª tentativa de tratar o câncer que carrega na região abdominal, o vice-presidente José Alencar confessa: “Ando cansado”.
Ele lança mão de uma expressão mineira para resumir sua situação clínica: “O trem está ficando feio para o meu lado”.
Sem meias palavras, Alencar declara: “Estou preparado para a morte como nunca estive nos últimos tempos. A morte para mim hoje seria um prêmio”.
“Isso não significa”, Alencar esclarece, “que tenha desistido de lutar pela vida. A luta é um princípio cristão, inclusive”.
O vice-presidente falou à repórter Adriana Dias Lopes. Em uma hora, chorou duas vezes. A entrevista foi às páginas de
Veja. Pode ser lida abaixo:

– Como o senhor está se sentindo? Está tudo ótimo: pressão, temperatura, coração e memória. Tenho apetite, inclusive – só não como torresmo porque não me servem. O meu problema é o tumor. Tenho consciência de que o quadro é, no mínimo, dificílimo – para não dizer impossível, sob o ponto de vista médico. Mas, como para Deus nada é impossível, estou entregue em Suas mãos.
– Desde quando o senhor sabe que, do ponto de vista médico, sua doença é incurável?Os médicos chegaram a essa conclusão há uns dois anos e logo me contaram. E não poderia ser diferente, pois sempre pedi para estar plenamente informado. A informação me tranquiliza. Ela me dá armas para lutar. Sinto a obrigação de ser absolutamente transparente quando me refiro à doença em público – ninguém tem nada a ver com o câncer do José Alencar, mas com o câncer do vice-presidente, sim. Um homem público com cargo eletivo não se pertence.
– O senhor costuma usar o futebol como metáfora para explicar a sua luta contra a doença? Certa vez, disse que estava ganhando de 1 a 0. De outra, que estava empatado. E, agora, qual é o placar? Olha, depois de todas as cirurgias pelas quais passei nos últimos anos, agora me sinto debilitado para viver o momento mais prazeroso de uma partida: vibrar quando faço um gol. Não tenho mais forças para subir no alambrado e festejar.
– Como a doença alterou a sua rotina?Mineiro costuma avaliar uma determinada situação dizendo que “o trem está bom ou ruim”. O trem está ficando feio para o meu lado. Minha vida começou a mudar nos últimos meses. Ando cansado. O tratamento que eu fiz nos Estados Unidos me deu essa canseira. Ando um pouco e já me canso.
Outro fato que mudou drasticamente minha rotina foi a colostomia (desvio do intestino para uma saída aberta na lateral da barriga, onde são colocadas bolsas plásticas), herança da última cirurgia, em julho. Faço o máximo de esforço para trabalhar normalmente. O trabalho me dá a sensação de cumprir com meu dever. Mas, às vezes, preciso de ajuda.
Tenho a minha mulher, Mariza, e a Jaciara (enfermeira da Presidência da República) para me auxiliarem com a colostomia. Quando, por algum motivo, elas não podem me acompanhar, recorro a outros dois enfermeiros, o Márcio e o Dirceu. Sou atendido por eles no próprio gabinete. Se estou em uma reunião, por exemplo, digo que vou ao banheiro, chamo um deles e o que tem de ser feito é feito e pronto. Sem drama nenhum.
– O senhor não passa por momentos de angústia?Você deveria me perguntar se eu sei o que é angústia. Eu lhe responderia o seguinte: desconheço esse sentimento. Nunca tive isso. Desde pequeno sou assim, e não é a doença que vai mudar isso.
– O agravamento da doença lhe trouxe algum tipo de reflexão? A doença me ensinou a ser mais humilde. Especialmente, depois da colostomia. A todo momento, peço a Deus para me conceder a graça da humildade. E Ele tem sido generoso comigo. Eu precisava disso em minha vida. Sempre fui um atrevido. Se não o fosse, não teria construído o que construí e não teria entrado na política.
– É penoso para o senhor praticar a humildade? Não, porque a humildade se desenvolve naturalmente no sofrimento. Sou obrigado a me adaptar a uma realidade em que dependo de outras pessoas para executar tarefas básicas. Pouco adianta eu ficar nervoso com determinadas limitações. Uma das lições da humildade foi perceber que existem pessoas muito mais elevadas do que eu, como os profissionais de saúde que cuidam de mim.
Isso vale tanto para os médicos Paulo Hoff, Roberto Kalil, Raul Cutait e Miguel Srougi quanto para os enfermeiros e auxiliares de enfermagem anônimos que me assistem. Cheguei à conclusão de que o que eu faço profissionalmente tem menos importância do que o que eles fazem. Isso porque meu trabalho quase não tem efeito direto sobre o próximo. Pensando bem, o sofrimento é enriquecedor.
– Essa sua consideração não seria uma forma de se preparar para a morte? Provavelmente, sim. Quando eu era menino, tinha uma professora que repetia a seguinte oração: “Livrai-nos da morte repentina”. O que significa isso? Significa que a morte consciente é melhor do que a repentina. Ela nos dá a oportunidade de refletir.
– O senhor tem medo da morte? Estou preparado para a morte como nunca estive nos últimos tempos. A morte para mim hoje seria um prêmio. Tornei-me uma pessoa muito melhor. Isso não significa que tenha desistido de lutar pela vida.
A luta é um princípio cristão, inclusive. Vivo dia após dia de forma plena. Até porque nem o melhor médico do mundo é capaz de prever o dia da morte de seu paciente. Isso cabe a Deus, exclusivamente.
– O senhor se deu conta da comoção nacional que tem provocado?Não há fortuna no mundo capaz de retribuir o carinho dos brasileiros. Sou um privilegiado. Você não imagina a quantidade de manifestações afetuosas que tenho recebido. Um dia desses me disseram que, ao morrer, iria encontrar meu pai, falecido há mais de cinquenta anos.
Aquilo me emocionou profundamente. Se for para me encontrar com mamãe e papai, quero morrer agora. A esperança de encontrar pessoas queridas é um alento muito grande – e uma grande razão para não ter medo do momento da morte.
– O senhor se tornou mais devoto com a doença? Sou de família católica, mas nunca fui de ir à missa. Nem agora faço isso. Quando a coisa aperta, rezo o pai-nosso. Ultimamente, tenho rezado umas duas, três vezes ao dia.
– Se recebesse a notícia de que foi curado, o que faria primeiro? Abraçaria a Mariza e diria: “Muito obrigado por ter cuidado tão bem de mim”.
Escrito por Josias de Souza

Pau dos Ferro é sede do encontro 45

Líderes do PSDB e DEM comemoram reaproximaçãoRogério Marinho, Rosalba, Felipe Maia, Getúlio e Leonardo Rego participaram do RN 45 em Pau dos Ferros e reafirmaram a intenção de estarem juntos na próxima eleição.A parceria entre PSDB e Democratas está cada vez mais firme no Rio Grande do Norte. Neste sábado (5), líderes do DEM participaram do seminário RN 45 em Pau dos Ferros, onde o
deputado federal Rogério Marinho (PSDB) reuniu lideranças tucanas de toda a região do Alto Oeste potiguar para debater sobre as diretrizes da legenda para o próximo ano. Dirigentes dos partidos de oposição ao Governo Federal ressaltaram a importância de manter a postura no âmbito nacional também no plano local.
O prefeito de Pau dos Ferros, Leonardo Rego (DEM), prestigiou o evento falou sobre o esforço da bancada federal do Rio Grande do Norte na liberação de recursos para importantes obras no município. Entre os pontos destacados, Rego citou o campus da Ufersa e falou sobre a luta de Rogério Marinho e dos demais parlamentares para a viabilização do projeto. Por outro lado, criticou a postura do Governo do Estado com relação às cidades que têm prefeitos de partidos de oposição à adminstração estadual.
Deputado federal Felipe Maia esteve presente ao encontro 45 em Pau dos Ferro
“A bancada federal, sim, tem sido madura e muito do desenvolvimento de Pau dos Ferros se deve ao esforço dos parlamentares. Já a relação do Governo do Estado com os prefeitos adversários pode ser considerado uma lástima”, resumiu Leonardo Rego.
O jovem gestor também aproveitou o evento, que ocorreu na data que marca os 153 anos de emancipação política de Pau dos Ferros, para afirmar que a presença dele no RN 45 é uma demonstração da solidariedade e retrato da parceria entre os partidos. “Parceria que já era uma realidade a nível nacional e agora também é no estado”, completou Rego.

A opinião do prefeito foi compartilhada pelos demais representantes do Democratas que dividiram o espaço da Câmara Municipal de Pau dos Ferros com vereadores, prefeitos e vice-prefeitos do PSDB da região do Alto Oeste. A senadora Rosalba Ciarlini, os deputados Getúlio Rego e Felipe Maia, também manifestaram a satisfação com o crescimento do PSDB no Rio Grande do Norte.
“Existe, nesse momento, uma afinidade que eu sentia muita falta entre o PSDB e o DEM. Queremos estar juntos. Unidos em um palanque forte de cabo a rabo, do presidente à governadora”, disse o deputado Felipe Maia. “O esforço que vejo em você, Rogério, para fazer o PSDB crescer no Rio Grande do Norte com coerência, faz que minha presença aqui seja obrigatória. Temos que fazer isso mesmo, que é discutir com a população e refletir o pensamento do povo”, completou a senadora Rosalba Ciarlini.
Senadora Rosalba Ciarline marcou presença no encontro 45 em Pau dos Ferro
O presidente de Honra do PSDB do Rio Grande do Norte, João Faustino, também elogiou o que ele chamou de “reencontro do PSDB com o povo”. Frequente participante das 13 edições do RN 45, João Faustino disse que o partido não pode ser um cartório e que os encontros estão fazendo com que o partido renasça. Para o ex-deputado, a aproximação da população e o crescimento recente devem-se principalmente ao deputado Rogério Marinho.
“Você, rogério, é o futuro do Rio Grande do Norte e está fazendo com que o nosso querido partido renasça, e não mais tenha seu futura o decidido por cinco ou seis pessoas ãs vésperas das eleições”, disse Faustino.O ex-deputado federal João Faustino esteve no encontro 45 em Pau dos Ferro
O deputado federal Rogério Marinho, que demonstrou satisfação com a maciça participação e representatividade do RN 45, garantiu aos correligionários e aos membros do DEM presentes ao encontro que a aliança entre as duas legendas será formalizada assim que o comando da agremiação estiver a cargo da nova administração do PSDB no Rio Grande do Norte. Para o deputado, que referiu-se a Rosalba como “futura governadora”, os dois partidos têm objetivos e linhas comuns no estado.
“Estou travando uma luta política porque acredito que os mandatos são instrumentos para mudarmos a vida da população, e não para os interesses próprios de poucos. Sei que esse pensamento é o mesmo do DEM, aqui representado por nomes de peso no estado, e por isso tenho a convicção de que caminharemos juntos em 2010”, disse Rogério Marinho.
Fonte: Assessoria imprensa do deputado Rogério Marinho

Agora este blogueiro Lenilson Costa, também está twittando, o endereço é este acesse www.twitter.com/lenilsonagreste

O ex-senador Geraldo Melo deixa o partido do PSDB e poderá ser o presidente do PPS no Estado.

Os senadores José Agripino e Garibaldi Filho ao lado do deputado Henrique Alves do RN foram considerados os cabeças pensantes do Congresso segundo o DIAP.

Votação da PEC dos vereadores fica para depois – Suplentes exigem mudança na Constituição para assumirem câmaras municipais, mas congressistas adiam decisão. Proposta só chegará ao plenário no fim de setembro, avalia Flávio Dino.
– Michel Temer prevê problemas na Justiça
– Vereadores lotam galerias da Câmara para pressionar deputados a votarem PEC, mas vão ter de aguardar mais

Por Fábio Góis
A pressão dos suplentes de vereador para a aprovação do aumento de vagas nas câmaras municipais surte pouco efeito no Congresso. Parlamentares se revezam no microfone para pedir a votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) nº 47/08, mas a decisão foi mais uma vez adiada.
As galerias da Câmara foram ocupadas por suplentes esperançosos de que o plenário votasse o assunto esta semana. Uma reunião de líderes realizada ontem (2), no entanto, adiou a decisão para a próxima quarta-feira (9). A tendência é que seja mais uma vez jogada pra frente, talvez para o final do mês, segundo alguns deputados envolvidos nas negociações.
A campanha dos suplentes começou há oito meses e já teve até greve de fome (leia aqui e aqui). O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), é contra a PEC dos vereadores. Avalia que a matéria vai provocar “problemas judiciais de maior monta” se for aprovada, segundo afirmou ontem (2) em entrevista.

A mais recente aprovação da PEC 47/08 (também chamada “PEC Paralela dos Vereadores”, uma vez que foi extraída de outra) ocorreu no plenário do Senado, em dois turnos, em 17 de junho deste ano (leia). A proposta define o limite de gastos para as câmaras municipais, para atender ao aumento das vagas de vereador previsto na PEC originária. Traduzindo em percentuais, sem dependência de fatores econômicos, a PEC estabelece, em suma, limites máximos de gastos entre 2% e 7% (o texto aprovado na Câmara fixava esse limite em 2% E 4,5% – leia aqui e aqui). Atualmente, o percentual varia entre 2% e 8%.
Também ficam estabelecidas faixas percentuais de despesas para as câmaras municipais, observando-se a população do município e tendo como base a arrecadação total no ano anterior: 7% para municípios com população de até 100 mil habitantes; 6% para 101 mil até 300 mil habitantes; 5% para 301 mil até 500 mil habitantes; 4% para 501 mil até 2 milhões de habitantes; 3% para 2,001 milhões até 8 milhões de habitantes; 2% para cidades com mais de 8 milhões de habitantes.

A PEC 20/08, em linhas gerais, amplia de 51.748 para 59.791 o número desses cargos no país (diferença de 7.343 – ou 14,1% de ampliação de vagas). A proposta também altera a proporcionalidade de vereadores em relação à quantidade de habitantes em cada município. Assim, os menores municípios (até 15 mil habitantes) teriam nove e os maiores (até 8 milhões), 55 vereadores.
O líder do PSDB na Câmara, José Aníbal (SP), reafirmou ser contra o aumento de vagas. “Nós não podemos eleger sete mil vereadores no plenário da Câmara”, disse o tucano à reportagem, rodeado de suplentes de vereador obviamente interessados na aprovação da matéria.
“Nem o Tribunal Superior Eleitoral vai permitir que esses suplentes tomem posse. Porque, se eles tomarem posse, vai ter vereador na titularidade que vai ter de sair, vai ter que fazer novas eleições.

Deve-se parar um pouco e pensar nas consequências práticas, fora o ôba-ôba. Eu entendo a expectativa do cidadão que é primeiro suplente e quer assumir, legitimamente, mas não vai dar certo, mesmo que a Câmara aprove”.
“O presidente da Câmara, Michel Temer, que é jurista e conhece bem o Tribunal Superior Eleitoral, me disse o seguinte: não haverá posse de nenhum vereador. Todas poderão ser questionadas, por quem quer seja, e vão significar – e, por isso, o TSE não vai permitir – mudança na composição das câmaras, inclusive com perda de mandato por alguns vereadores.”
“O governo não está [interessado] nesta PEC, não. Quem está nessa PEC são alguns partidos políticos que acham que é legítimo e tal. Eu acho que não compete à Câmara eleger sete mil vereadores”, concluiu.

A posição do tucano não é compartilhada pelo deputado Pompeo de Matos (PDT-RS), autor do primeiro projeto de reposição de vagas de vereador, em 2004. “Há uma incompreensão da Câmara. Esse é um tema que eu venho tratando aqui desde 1999, e a Câmara empurra com a barriga. Tanto que o Supremo [Tribunal Federal] interferiu, e acabou fazendo os desarranjos na representação das câmaras municipais. O que estamos querendo fazer é corrigir essas distorções”, disse Pompeo, para quem ainda neste mês a matéria entrará em pauta. “Demorou, mas estamos na reta final. Eu queria que fosse hoje [quarta, 2]. Queremos a posse dos novos vereadores, no máximo, em janeiro do ano que vem.”

Um dos principais conhecedores do assunto na Câmara, o deputado Mário Heringer (PDT-MG) também defende a aprovação da PEC e a recomposição das câmaras municipais. “Quem está nos gabinetes não detecta isso, mas é imprescindível a presença dos vereadores nos municípios. Eles não fazem uma ação só de legisladores e fiscalizadores: eles são agentes públicos que fazem a intermediação do pobre com o poder”, disse o deputado.
“São esses caras que botam [mães carentes] no seu carro e levam para a maternidade. Não é essa a função? Mas quem fará? Na vacância do poder público, eles são os representantes legítimos. Esses caras fazem mais coisas no Brasil do que pode se criticar no momento”, arrematou o deputado, para quem não haverá ônus para os cofres públicos. Segundo Heringer, não há disputa política em torno da PEC, mas há uso político da proposição como moeda de negócio. “O pré-sal hoje é a disputa política. E, para fazer pressão sobre a condição do pré-sal, faz pressão em cima de uma PEC que já está consagrada e discutida há mais de oito anos.”

O deputado mineiro diz não estar “nem um pouquinho preocupado” com a capacidade orçamentária em absorver eventuais gastos extras decorrentes do aumento de vagas. “O orçamento não pode subir. Se couber mais representantes dentro das câmaras, está bom. Nós impedimos o crescimento do orçamento, mas não o crescimento da representatividade, minha preocupação primeira”, conclui o deputado, acrescentando que não há mordomias em um universo de quase seis mil municípios. “Desses, 20 ou 30 são privilegiados. Cidade do interior não tem isso, não. Não tem gabinete, não tem carro, não se excede na mordomia. Em cidade do interior o que se pode fazer é redistribuir o trabalho.”

“Quanto mais pressão, melhor”

O parlamentar Flávio Dino (PCdoB-MA) também acredita que a PEC será aprovada ainda neste mês. Favorável à matéria, o deputado e ex-juiz federal maranhense diz que o Judiciário errou quando extinguiu 8.528 vagas de vereador em 2004.

“[A PEC] será aprovada, eu tenho essa convicção. A proposta é razoável, correta, repõe vagas que foram indevidamente suprimidas pelo poder Judiciário, e não tem impacto fiscal negativo. Pelo contrário, ela tem impacto positivo, na medida em que haverá redução dos gastos”, defendeu Dino, para quem a polêmica em torno do pré-sal “dificultou a construção de consenso”, com a obstrução dos trabalhos em plenário. “Coisa que é legítima no Parlamento.”

Dino diz que a aprovação da matéria é questão de tempo, mas prefere não arriscar uma data em que isso ocorrerá. Enquanto não há definição, afirma o deputado, a pressão dos suplentes é válida. “Sempre tive na minha cabeça até o final de setembro, ainda temos aí várias semanas. A pressão é inerente ao Parlamento, quanto mais pressão, melhor. Eu adoro isso aqui cheio, quanto mais gente reclamando, pedindo. Acho que isso é bom porque é a vitalidade do Congresso, e os suplentes estão corretos de vir aqui e cobrar de seus parlamentares. É assim que as coisas se resolvem”, conclui o parlamentar, para quem “a imensa maioria” dos deputados apoiará a proposta.

Líder do DEM, o deputado Ronaldo Caiado (GO) disse à reportagem não conhecer a razão da demora para votar a matéria. “Não sei responder”, resumiu Caiado, sem querer se posicionar sobre a matéria ou antecipar como votará sua bancada. “Eu, como líder, encaminharei no dia da votação. Eu falo pela bancada, não falo como pessoa física. Mas ainda não foi feita a reunião.”

Já o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), é mais enfático em relação à matéria. “A bancada do PT vota pelo sim”, disse o deputado, recebendo aplausos dos vereadores que o cercavam à porta do plenário. O petista minimizou o impasse em torno da PEC. “A PEC está tramitando rapidamente. Nós íamos votar hoje, mas a Casa está sob obstrução. A praxe aqui é não votar PEC em obstrução, lembrando que as propostas de emenda à Constituição precisam de 308 – com a obstrução dos trabalhos de PSDB, DEM e PPS (cerca de 130 deputados), não há quorum suficiente para aprovação da proposta. “Aí a PEC fica já fadada à derrota, sem a discussão. Não é que tenha resistência. Não tem é número para votar a PEC.”

“Nós votamos, na semana passada, na comissão, e a imprensa disse que foi votado na calada da noite. Tem uma semana que nós votamos, tem PEC aqui que foi votada há mais tempo. Temos que esperar a oposição levantar a obstrução”, ponderou Vaccarezza.

Confiança

Um dos representantes informais da comissão interestadual de suplentes que lotavam as galerias superiores do plenário nesta quarta-feira, o suplente de vereador André Gomes (PMDB), do município de Miracema, Tocantins, demonstrou que, se a mobilização persiste, agora segue em tom mais moderado. As seguidas aprovações na Câmara e no Senado, acredita, sinalizam que a matéria será aprovada sem problemas, e é apenas questão de tempo.

“Há vários assuntos a serem abordados no Congresso Nacional, entre eles a PEC dos Vereadores”, disse André, que não vê enrolação do Congresso na aprovação da matéria. “Esse movimento é formado por políticos, e nós confiamos nos congressistas do país. A gente sabe que o Congresso Nacional trabalha através de acordo.”

Irmão do deputado Eduardo Gomes (PSDB-TO), André mencionou a reunião de líderes realizada na manhã de ontem (quarta, 2), em que ficou acordado que a votação iria a plenário na próxima quarta-feira, dia 9. “A gente confia na palavra do presidente, que irá pautar a matéria, e nos líderes dos demais partidos. Agora é esperar a aprovação. Que fique claro: nós confiamos nos líderes políticos.”

Para Joaquim Pereira, suplente de vereador em Correntina, Bahia, a PEC, além de recompor as câmaras municipais, vai obedecer ao caráter de proporcionalidade representativa. “O aumento da representatividade é muito importante, porque não há como concordar com uma cidade como Borá, em Minas Gerais, com 804 habitantes ter nove vereadores, e Correntina, na Bahia, ter 35 mil habitantes e os mesmos nove vereadores”, justificou Joaquim.

Já o suplente Fábio Persi, do PSC de Governador Valadares (MG), relativizou os oito meses de mobilização no Congresso. “O sentimento é de confiança, de otimismo. Apesar de toda esta demora, conseguimos aprovar esta PEC no Senado e deixá-la pronta para o plenário da Câmara em um tempo curtíssimo”, disse Fábio, para quem o a proposta promove um “resgate da representatividade nos municípios” e corrige a ação do Judiciário. “Foi um corte absurdo, com os mesmos repasses. A PEC vai corrigir toda esta situação.”

CNSC é o vencedor do JEERNs em Nova CruzO Colégio de Nossa Senhora do Carmo foi à escola Campeã dos XXXIX JERN’s regional de Nova Cruz.
Ontem pela manhã (02/09) no auditório da escola os atletas foram recebidos e homenageados pela Diretora e Professores do CNSC.
O Professor Ezequiel foi o treinador da equipe que mais uma vez mostrou toda a sua competência junto aos atletas.
Fotos:blog Ademilsom Amorim

João Maia(PR), Henrique Alves(PMDB), Robinson Faria(PMN) e Fábio Faria (PMN)

Essa eu pego carona do blog do amigo Marcos Dantas
Encontro da Unidade Potiguar termina e líderes vão elaborar projeto para o Rio Grande do Norte
O café da manhã de ontem (02/09) que aconteceu na residência do deputado João Maia em Brasília, como o Blog antecipou, participaram do encontro além do anfitrião, os deputados Robinson Faria (PMN), Fábio Faria (PMN) e Henrique Eduardo Alves (PMDB). Nas conversas, ficou decidido que a Unidade Popular irá adotar o modelo idealizado pelo PR, para discutir um projeto para todo o Rio Grande do Norte.
Ainda de acordo com os líderes, em outubro será realizado um grande encontro com todas as lideranças da Unidade Potiguar, em uma data ainda a ser agendada, para um grande evento político. Robinson ainda recebeu de João Maia, Henrique e Fábio solidariedade pelo episódio da “manobra”, onde o ex-senador Fernando Bezerra tentou tomar o controle do PP no Estado.

Virgílio é contra limitar liberdade na internet
O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) disse nesta quarta-feira, após a aprovação em duas comissões da Casa da reforma eleitoral, que tem dúvidas sobre alguns pontos da proposta e pediu que a matéria só seja votada na próxima semana pelo plenário.
Sua maior dúvida está ligada aos limites que poderão ser impostos para a divulgação de candidatos em blogs e sites.
– A internet é livre o tempo todo. Ela não é concessão pública, como rádio e televisão. Por que então tirar sua liberdade na época eleitoral? Para mim, é injusto e incoerente. Não acho possível controlar a internet. Quero discutir mais essas dúvidas com os senadores antes da votação – disse.

Deu no Estado de São Paulo
Orçamento autoriza governo a contratar 77 mil servidores
É mais do que o dobro dos 33.667 cargos previstos para este ano; maioria dos postos é no próprio Executivo
De Edna Simão
Mesmo com o Orçamento apertado, o governo não abriu mão de programar uma contratação recorde de novos funcionários para o ano que vem e o início do governo sucessor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A proposta do Orçamento-Geral da União para o ano eleitoral prevê a criação de 77.782 novas vagas nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público da União – mais do que o dobro dos 33.667 cargos novos previstos para este ano.
Na programação de 2008, a previsão era de criar 32.969 vagas.
Do total autorizado, pelo menos 56.861 contratações serão feitas no ano que vem, a custo estimado de R$ 2,173 bilhões. Desse total, 47.335 vagas são para cargos no Executivo. A maioria – cerca de 40.188 vagas – vai ser preenchida por meio de concurso público. De acordo com a proposta do Orçamento, 15.040 dos selecionados serão contratados para substituir terceirizados.
Para rebater as acusações de inchaço da máquina pública, o Ministério do Planejamento informou que 21 mil das 77.782 vagas vão ser aprovadas na lei orçamentária de 2010, mas ficarão à disposição do próximo governo.

PHS em crescimento no Estado

PHS SE ARTICULA E PREPARA PARA RECEBER VÁRIOS CANDIDATOS A DEPUTADO ESTADUAL Foto:Divulgação Membros do partido PHS, Luis Celso, Fábio Dantas e o ex-deputado Dadá Costa
O Mês de setembro já começou com várias movimentações e mudanças de partidos, nomes de expressão política se articulam para não perderem a data limite de setembro. O deputado estadual Robinson Faria, foi o primeiro a falar de mudar de partido, ele vai sair do PMN, e migrar para o PP. Outras mudanças são os nomes de Luiz Almir que vai sair do PSDB para outro partido até agora não comentado pelo deputado. Já Claudio Porpino(PSB) vai ter uma conversa com sua líder maior a governadora Wilma de Faria, para em seguida anunciar se fica ou sai do partido. Se optar pela saída, o mesmo irá se filiar ao PHS.

Já o ex-deputado Nelson Freire, Dadá Costa da cidade de Caicó são outros nomes com expressão política que se filiarão ao PHS. Permanecendo esse quadro de filiações o PHS se projeto para ter 3 deputados estaduais. O mentor do projeto de filiação e organização do partido e do engenheiro agronomo e político, Luis Celso Pinheiro e do advogado e expert da política estadual Fábio Dantas.

Twitter de Lenilson do Agreste www.twitter.com/lenilsonagreste

Lenilson Costa também no Blog Lenilson do Agreste
Este blogueiro Lenilson Costa, esta agora também conectado a mais nova ferramenta da internete acesse www.twitter.com/lenilsonagreste

Deu em o Globo
Governo prevê mínimo de R$ 505,90 para 2010
Revisão da inflação para menos baixou valor da proposta que chega hoje ao Congresso, 8,8% acima do piso atual

De Geralda Doca:
O salário mínimo a ser pago em janeiro de 2010 será de R$ 505,90 – o que representa reajuste de 8,8% sobre o atual piso nacional, fixado em R$ 464,72, de acordo com o previsto no Projeto de Lei Orçamentária que o governo enviará hoje ao Congresso Nacional. O reajuste, de R$ 40,90, é um pouco inferior ao estimado em abril na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), quando a previsão era a de que o salário mínimo passaria a R$ 506,50.
A diferença a menos no bolso do trabalhador se deve à revisão na inflação deste ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que registra a variação do custo de vida para famílias que ganham até três salários mínimos.
O valor do piso nacional é definido com base em uma fórmula que contempla o INPC acumulado nos 12 meses anteriores à data de concessão do último reajuste. Para 2010, esse cálculo terá como referência o período entre fevereiro deste ano e janeiro do ano que vem. A previsão é que esse índice seja de 3,52%. A previsão anterior era 3,62%.
A outra variável é o crescimento da economia nos dois anos anteriores. Nesse caso, entra na fórmula o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2008, que apresentou expansão de 5,1%.
Hoje é o último dia para que o Executivo envie a proposta orçamentária ao Legislativo e uma das grandes incógnitas é a projeção de receitas para 2010 – num momento em que o governo enfrenta quedas sucessivas na arrecadação de impostos e contribuições federais e crise na Receita Federal.

Partido já articula alianças para lançar candidatura
Presidente do PV calcula que pode ter 5 minutos de tempo no horário eleitoral, após conversas com outras legendas
Embora dirigentes do PV optem pelo discurso de que uma candidatura presidencial da senadora Marina Silva (PV-AC) deva ser discutida apenas em 2010, o movimento entre os líderes do partido não deixa dúvidas de que está tudo sendo preparado para lançá-la o mais rapidamente possível. A cúpula da legenda não só admite encontros recentes com outros partidos para tratar de composição de chapa como já faz as contas de quanto tempo Marina teria de exposição na TV em horários eleitorais gratuitos.

– A nossa meta é ter quatro ou cinco minutos de tempo na televisão, e acho que temos grandes chances de conseguir esse espaço – disse ontem o presidente nacional do PV, José Luiz Penna, que, ao mesmo tempo, mede as palavras quando o assunto gira em torno da oficialização da candidatura da ex-ministra do Meio Ambiente.
– Mas isso é algo que depende do sentimento da Marina. Essa não é a nossa preocupação no momento. O deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) disse ontem que outras legendas já começaram a procurar o PV.
– Alguns partidos já nos procuraram, mas não nos autorizaram a divulgar quais são. Mas há, sim, conversas no sentido de formar coalizões – disse ele, para quem Marina reúne todas as características para concorrer à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Sobre o apoio para a disputa ao governo do Rio

– Gabeira teria a promessa de apoio do PSDB, situação que pode se alterar com a entrada de Marina Silva no jogo sucessório federal -, o deputado disse que o novo quadro precisa ser bem analisado:
– Precisamos achar uma situação que seja confortável para todos os partidos.

Brasil passa no teste e sai da crise maior do que entrou
De Fernando Dantas:
O Brasil saiu da turbulência global maior do que entrou. Às vésperas do mês em que se completa um ano da crise iniciada com a concordata do Lehman Brothers, em 15 de setembro, o otimismo com o País tornou-se consensual. “O fato de que o Brasil passou tão bem pela crise tinha mesmo de instilar confiança”, diz Kenneth Rogoff, da Universidade Harvard, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para Jim O?Neill, do Goldman Sachs, e criador da expressão Bric (o grupo de grandes países emergentes, Brasil, Rússia, Índia e China), “o Brasil passou por essa crise extremamente bem, e pode crescer a um ritmo de 5% nos próximos anos”.
O crescimento de importância do Brasil e de outras economias emergentes é uma das características do novo mundo surgido com a crise econômica.

Para comentar essa e várias outras mudanças, o Estado ouviu oito grandes economistas estrangeiros e brasileiros: Rogoff; O?Neill; Barry Einchengreen, da Universidade de Berkeley; José Alexandre Scheinkman, de Princeton; Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central (BC) e sócio gestor do Gávea Investimentos; Edmar Bacha, consultor sênior do Itaú BBA e codiretor do Instituto de Estudo de Políticas Econômicas – Casa das Garças (Iepe/CdG); Affonso Celso Pastore, consultor e ex-presidente do BC; e Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco.
Pastore observa que a recessão no Brasil foi curta, de apenas dois trimestres, comparada a quatro em países como Estados Unidos, Alemanha e França. Goldfajn nota que há os países que estão saindo da recessão no segundo trimestre e os que estão saindo no terceiro – o Brasil está entre os primeiros, com várias nações asiáticas. “Mesmo no primeiro trimestre, se olhar mês contra mês, há números fortes de crescimento no Brasil”, acrescenta
Wilma estará em Brasília nesta segunda para o lançamento do pré-sal e audiências em Ministérios
A governadora Wilma de Faria estará em Brasília nesta segunda-feira(31).

Ela vai participar da solenidade de lançamento do pré-sal e peregrinar por alguns Ministérios em busca de recursos para obras no Estado.No Ministério das Comunicações Wilma vai cobrar o lançamento da TV Digital no RN e buscar parceria para agilizar o programa Internet de Todos no interior.

Em Brasília Wilma vai se encontrar com a prefeita Micarla de Souza.
As duas ao Ministério do Turismo discutir apoio para eventos culturais em Natal, inclusive os do fim do ano.Wilma e Micarla também irão ao Ministério das Cidades apresentar o rol de projetos do PAC da Copa do Estado e da Prefeitura de Natal.No encontro que irá ter com o presidente Lula, Wilma vai discutir a situação dos royalties de petróleo do Estado, Municípios e proprietários do RN.

Cerca de três mil pessoas participaram do Grito da Pesca, que contou com a presença do ministro Gregolin
Fotos: Alberto Leandro e divulgação

Cerca de três mil pessoas participara nesta domingo(30), em Caiçara do Norte, do I Grito Nacional da Pesca e Aquicultura.Evento contou com a presença do ministro da Pesca, Altemir Gregolin.Além do ministro, estiveram presentes o vice-governador Iberê Ferreira, os senadores Garibaldi Filho; José Agripino e Rosalba Ciarlini; os deputados federais Felipe Maia, Fátima Bezerra e Sandra Rosado, os deputados estaduais Gustavo Carvalho, Gilson Moura, Larissa Rosado e Poti Júnior; prefeitos, vereadores e representantes de associações e cooperativas de pescadores.“Este evento é um marco histórico e mostra a organização do setor.
Esta é a melhor forma de se fazer ouvir.

O ministro da Pesca, Altemir Gregolin ao lado dos senadores José Agripino, Rosalba e Garibaldi do RN

Vice Iberê Ferreira e os deputados federais e estaduais também participaram do evento

A criação do Ministério da Pesca pelo governo federal garante mais possibilidades de atender às reivindicações de um setor que estava esquecido há mais de 50 anos”, afirmou o ministro Altemir Gregolin.Os três senadores se comprometeram a lutar para complementar a Lei Geral da Pesca, matéria que foi aprovada com alguns vetos no Congresso.
Na ocasião, os representantes de associações dos pescadores narraram os problemas do setor e entregaram aos senadores um documento contendo as reivindicações da categoria.
De acordo com relatos de pescadores e presidentes de cooperativas, a fiscalização promovida pelo Ibama tem sido feita de maneira exagerada.
Garibaldi Filho pediu ao ministro Gregolin que o Ministério da Pesca ajude na solução desse problema.
Fonte:Blog Oliveira

Um dia por dentro do Jornal Nacional
Como é feito o noticiário mais antigo, mais influente e de maior audiência da TV brasileira – que completa 40 anos nesta semana
Ivan Martins

9h da Noite William Bonner e Fátima Bernardes no estúdio do JN, depois da apresentação do jornal. Seus 33 minutos são vistos por 40 milhões de pessoas
Lá/Dó Lá Dó Ré/Ré# Ré Ré#Ré Dó Lá.
Conhece essa música? Conhece. São 8h15 da noite, e 40 milhões de pessoas em todo o Brasil veem surgir na tela da TV os rostos familiares de William Bonner e Fátima Bernardes. Como acontece desde 1o de setembro de 1969, acaba de ter início o Jornal Nacional, o noticiário mais antigo, mais influente e de maior audiência da televisão brasileira.
O programa e sua vinheta inconfundível – um arranjo da canção “The fuzz”, do músico americano Frank DeVol – completam 40 anos nesta semana. Neste período, a música e as feições de Bonner e Fátima, que apresentam o jornal há 11 anos, foram incorporadas à rotina do país.

A entrada no ar do Jornal Nacional é um evento tão previsível quanto o pôr do sol em Ipanema – e mais pontual, pois não varia segundo a estação do ano. No interior do número 22 da Rua Von Martius, no bairro carioca do Jardim Botânico, porém, rotina, previsibilidade e mesmo pontualidade são materiais escassos. Ali, no andar térreo de um conjunto de edifícios labirínticos, trabalha-se entre as 7 da manhã e quase 9 da noite para preparar, de segunda-feira a sábado, com a participação de 500 profissionais de emissoras de todos os Estados, os 33 minutos diários do Jornal Nacional. Suas matérias-primas são planejamento, surpresa, urgência e improviso. Além, é claro, da notícia e das imagens.
A corrida para pôr no ar aquilo que Armando Nogueira, o primeiro diretor de Jornalismo da Rede Globo, definiu como o “Boeing” constitui a essência de Jornal Nacional, modo de fazer, livro que será lançado pela Editora Globo nesta semana, no 40o aniversário do JN. Escrito por Bonner, editor-chefe do jornal desde 1999, o livro explica em 247 páginas, na linguagem direta da televisão, como se faz o JN e quais são seus princípios jornalísticos, seus métodos, sua equipe e sua tecnologia.

Não é a primeira vez que se escreve sobre o Jornal Nacional. Há vários livros acadêmicos e jornalísticos que tratam do programa. Em 2004, quando o JN completou 35 anos, a Jorge Zahar Editor lançou Jornal Nacional, a notícia faz história, preparado pelo Memória Globo, departamento que cuida da preservação da história da Rede Globo. A preocupação era registrar a evolução do JN e sua influência na vida brasileira. Agora, é diferente.

O livro de Bonner descreve como é o JN na prática. “Aquilo que fazemos aqui todos os dias ainda não havia sido descrito”, diz Bonner. “Há vários livros sobre a história do jornal, mas nenhum sobre como ele é feito. Escrever me permitiu pensar sobre nosso trabalho.”
O livro de Bonner está recheado de histórias dramáticas ou pitorescas sobre o dia a dia do jornal. É farto em explicações sobre a operação e as grandes coberturas. Foi escrito em três meses, ou, nas contas do autor, “11 ou 12 finais de semana afastado dos filhos”. (Bonner é casado com Fátima, que, além de apresentadora, também é editora executiva do JN. O casal tem trigêmeos.) Os direitos do primeiro ano de vendas serão doados ao curso de jornalismo da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – onde tanto Bonner quanto o autor desta reportagem se formaram, em épocas diferentes.
Aos 46 anos, Bonner é uma figura impressionante. Com 1,87 metro de altura e 94 quilos, ele parece, pessoalmente, muito maior que na televisão. Tem pinta de galã antigo de cinema. A sobriedade que se vê na tela também desaparece no contato direto.

Bonner brinca o tempo inteiro. Fala muito, fala alto, demanda atenção. É um sujeito naturalmente gregário e divertido. Sua especialidade são as imitações. Uma de Clodovil – hilária – ficou eternizada no site de vídeos YouTube. Quando imita o presidente Lula no meio de uma conversa, o efeito cômico é devastador. Bonner viveu parte da infância nas imediações da Rua São Jorge, no Tatuapé, bairro de São Paulo conhecido por abrigar o Sport Club Corinthians Paulista. Apesar disso, é são-paulino.
Para entender as outras paixões que movem Bonner, é bom espiar as paredes de sua salinha de 4 metros por 2 metros na redação do JN. Ali há prêmios, fotos da família e da equipe de trabalho. Tudo previsível, exceto três imagens. Uma delas é um fotograma do filme alemão Corra, Lola, corra, que gira em torno de uma entrega que tem de ser feita num tempo exíguo.

A outra é uma foto de Bill Murray, ator principal de O feitiço do tempo. É aquele filme em que um sujeito acorda sempre na mesma manhã, prisioneiro de um dia que se repete. Está claro que Bonner é obcecado pelo tempo e por seus limites. A terceira imagem é do filme O mentiroso, de Jim Carrey – a história do advogado que, de uma hora para outra, não consegue mais mentir.

A verdade, claro, é o insumo básico do trabalho jornalístico.
Conhecer o JN de perto é uma lição de jornalismo. Na semana passada, ÉPOCA teve acesso aos bastidores que Bonner descreve em seu livro. Conversamos com vários dos profissionais que circulam no amplo salão semi-iluminado onde funciona a redação do jornal, o espaço que aparece ao fundo, nas costas dos apresentadores do JN. Pudemos acompanhar de perto o trabalho de produtores, repórteres e editores envolvidos na corrida para preparar e transmitir o noticiário. Participamos de suas animadas reuniões diárias. Vimos como as reportagens nascem, crescem e – frequentemente – são descartadas. Assistimos, a 4 metros de Bonner e Fátima, à tensa transmissão ao vivo do jornal.


COMO SE FAZ A capa do livro de Bonner que será lançado nesta semana. Ele mostra o Jornal Nacional visto por dentro
Para quem está acostumado a conviver com o ritmo de uma revista semanal como ÉPOCA, o que mais impressiona no primeiro contato é como Bonner e seus colegas são mestres da concisão e da velocidade. Seu objetivo é resumir diariamente – em pouco mais de 30 minutos líquidos de notícia – o que de mais importante acontece no Brasil e no mundo, usando imagens e a linguagem mais direta possível. Na revista, o trabalho consiste, idealmente, em observar pelo maior tempo possível, conversar com o maior número de pessoas possível e ler o máximo possível sobre o assunto em pauta. Na hora de escrever, calma é fundamental. Este texto, de quase 4 mil palavras, tomou boa parte de três dias para ser concluído. Com esse número de horas e de palavras, Bonner faria mais que três edições do JN.

Visto de dentro, o JN se assemelha a um funil. Passam por ele, todos os dias, centenas de fatos e eventos do mundo inteiro. De tudo, apenas 25 notícias em média chegam aos telespectadores. A operação desse filtro constitui a essência do trabalho do JN. A qualidade da filtragem, aliada à preparação e apresentação cuidadosa daquilo que passa por ela, faz do programa o mais importante formador de opinião do Brasil. Há quatro décadas.

Bonner não decide solitariamente tudo o que vai ou não vai ao ar. Várias vezes ao dia, confabula com seu chefe direto – Ali Kamel, diretor da Central Globo de Jornalismo, que responde por todos os programas jornalísticos da Rede Globo. Kamel, por sua vez, conversa com frequência com o chefe de ambos, o gaúcho Carlos Henrique Schröder, diretor-geral de Jornalismo e Esporte da emissora. Essa é a cadeia de comando.
Ela foi acionada, no dia 20, quinta-feira, quando o escritório de Brasília entrevistou um motorista que dizia ter levado a ex-secretária da Receita Lina Vieira a várias reuniões no Palácio do Planalto. Poderia ou não ser uma evidência contra a ministra Dilma Rousseff (que nega ter se reunido com a então secretária da Receita).

Mas o motorista não queria ser identificado, e suas informações eram genéricas demais, sem datas ou lugares precisos. Pareceu a Bonner estar inseguro do que dizia. Bonner consultou então seus chefes. Eles concluíram, juntos, que era melhor deixar a testemunha relutante fora do JN.
Editar é tomar decisões. No JN, elas começam a ser tomadas às 11 horas da manhã, num encontro conhecido como “reunião da caixa”.

Bonner conta em seu livro que o nome vem do tempo em que um aparelho com formato de caixa de sapato ocupava o centro da mesa de reunião. Ele permitia, com um aperto de botão, que se ouvissem as principais emissoras da Globo envolvidas na elaboração do JN. Parece tosco, mas, até a década de 80, quando não havia celulares e um sinal de linha de telefone fixo no Rio de Janeiro podia demorar seis segundos, a tal caixa era essencial para a equipe que fazia o telejornal.

Hoje, a comunicação entre o Rio e as outras praças se faz por videoconferência. Uma TV de tela plana instalada na sala de reuniões do JN mostra os jornalistas de São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Nova York. Eles se juntam aos sete participantes do Rio. Todos veem e ouvem todos os demais – o que nem sempre ajuda a disciplina. Na sexta-feira em que ÉPOCA participou da reunião, Bonner chegou alguns minutos atrasado, mastigando um pão de queijo. Foi saudado pela equipe de São Paulo ao coro de “Uéu, uéu, uéu, o Bonner é da Fiel”. O chefe são-paulino finge estar indignado com a provocação e responde na mesma moeda, imitando um torcedor do “curintcha”. A atmosfera é 100% bom humor carioca.

Depois que cada um apresenta suas sugestões de reportagens para o dia, fica claro que há, naquele momento, duas notícias com potencial de destaque. Uma é o recuo do senador Aloizio Mercadante, que no dia anterior anunciara sua “decisão irrevogável” de deixar a liderança do PT no Senado. Enquanto a reunião se desenrola, Mercadante ocupa a tribuna do Senado para anunciar que mudara de ideia. Ficaria no cargo a pedido do presidente Lula.

A informação é recebida pelos jornalistas do JN com um misto de ironia e incredulidade. A segunda notícia que chama a atenção é a morte de um jovem no Hospital de Bonsucesso, na periferia do Rio, em condições quase inacreditáveis: ele sofrera uma torção no pé jogando futebol e terminara morto, com uma infecção generalizada, depois de uma semana de aparente descaso médico. A indignação toma conta da mesa.

Fonte:Época
As manchetes deste domingo(30)

– Globo: Rio vai sugerir taxação para manter royalties no pré-sal
– Folha: Programa da casa própria atrasa mais na baixa renda
– Estadão: Um ano depois, Brasil passa no teste da crise mundial
– JB:
Nós salvamos as empresas multinacionais
– Correio: Mortes triplicam na fila de transplantes
– Veja: Abrimos o cofre do MST
– Época: Alegria a comida
– IstoÉ: Serra X Aécio – O dilema do PSDB
– IstoÉ Dinheiro: O programador do futuro
– Carta Capital: O poder do Brasil – O submarino nuclear e os objetivos militares do País

BASTIDORES DA POLÍTICA NACIONAL

Lula se fixa no ‘Brasil potência’ como mote para 2010
– Acha que, sem rumo, oposição se perde na pregação ética
– Em resposta, enfatiza crescimento, petróleo e tecnologia
– Nesta 2ª, Dilma retorna ao palco como a estrela do pré-sal

Sérgio Lima/Folha

Lula começa a expôr, em reuniões privadas, o esboço do discurso que deseja levar aos palanques da sucessão presidencial.
Em contraposição ao que chama de “agenda mesquinha” dos rivais –de timbre monotematicamente ético—, Lula vai brandir o discurso do “Brasil potência”.
Um país, segundo diz, fadado ao desenvolvimento. Graças sobretudo ao “êxito” de sua gestão.
Nesta segunda (31), Lula presidirá uma megacerimônia. A lista de convidados roça a casa das 3.000 pessoas. Será uma espécie de pontapé inicial da nova fase.

Antes, o presidente reunirá todo o ministério. Para adensar o encontro, convidou os mandachuvas dos partidos que integram o consórcio governista.
Lula cerca de pompa o anúncio das regras de exploração do pré-sal. Ele comenta: “Enquanto a oposição brinca de CPI da Petrobras, nós cuidamos do futuro”.
No caso do petróleo armazenado em águas profundas, o futuro a que se refere Lula é um ponto distante na folhinha.
Estima-se que, se tudo der certo, o óleo do pré-sal só começará a ser içado em escala comercial entre 2015 e 2020.
Lula cuida, porém, de antecipar os dividendos políticos. Esforça-se para empurrar para dentro de sua biografia o título de precursor do porvir benfazejo.

De quebra, tenta untar com o óleo ainda não extraído a candidatura presidencial de Dilma Rousseff.
Depois de tomar chá de sumiço, a chefona da Casa Civil volta à boca do palco no papel de coordenadora do grupo que preparou o marco do pré-sal.
Diante dos holofotes, Dilma vai despejar sobre a platéia a exposição que preparou nos dias em que esteve refugiada nas coxias.

Vai esmiuçar o conteúdo de um lote de projetos que o governo enviará ao Congresso. O miolo da picanha é a criação de uma estatal e a constituição de um fundo.
A estatal será vendida como estrutura enxuta e necessária. Indispensável para assegurar o controle do Estado sobre uma riqueza que pertence “ao povo”.

Quanto ao fundo, terá natureza eminentemente social. O dinheiro, o governo deseja enfatizar, irá para áreas tão estratégicas como saúde e educação.

Servirá também para tonificar os investimentos num setor que se converteu no mais novo dodói de Lula: ciência e tecnologia.
A pajelança do pré-sal será arrematada com um discurso do presidente. Soará como uma espécie de plataforma antecipada de 2010.

A crise? Lula olha para ela pelo retrovisor. Diz que o crescimento econômico de 2009 será bom. Afirma que o PIB de 2010 vai surpreender os pessimistas.
Em privado, Lula tornou-se um crítico dos seus críticos. Diz que os pregoeiros do caos –agentes econômicos e jornalistas— devem um “pedido de desculpas” ao país.

Jacta-se de ter reduzido os juros em meio ao incêndio financeiro. Orgulha-se do acúmulo de reservas internacionais: R$ 213 bilhões, a despeito do terremoto.
Como que decidido a constranger o tucanato –adepto do choque de gestão e simpático às privatizações—atribui aos bancos públicos papel-chave na superação da crise.
De resto, gaba-se de ter diversificado a pauta de exportações ao achegar-se, sob ataques das “mentes colonizadas”, à China e às nações africanas e árabes.

Tudo isso sem desprezar o mercado interno, revigorado pela rede de proteção social provida pelos repasses do Bolsa Família a 11 milhões de lares pobres.
São coisas que, no dizer do presidente, a imprensa brasileira esquiva-se de levar às manchetes. E a oposição insiste em não reconhecer.
Melhor assim, diz Lula. “Eles que fiquem com as CPIs, com a Lina [Vieira] e com a crise do Senado”. Chega mesmo a dizer que acha “ótimo” o comportamento da oposição.

Enxerga “falta de rumo” no quintal vizinho. Afora o apelo à ética, que julga eleitoralmente infrutífero, realça a falta de definição quanto ao candidato.
Para não cair na mesma “armadilha” do PSDB, dividido entre José Serra e Aécio Neves, Lula decidiu reforçar nos próximos dias a opção por Dilma.
Parece incomodado com o noticiário que apresenta o recém-absolvido Antonio Palocci como regra três da ministra.

Sua candidata, ele repisa mesmo entre quatro paredes, é Dilma.

Uma pesquisa para saber o que o ex-PT pensa do PT.
Ique

Na oposição, PT especializara-se em tirar gênios da garrafa. No governo, o ex-PT Eesforça-se para fazê-los descer gargalo abaixo.

Lula, o petista de mostruário, revelou-se um tucano que ainda não tinha chegado ao poder. Radical, exacerbou a idéia de mudar radicalmente o radicalismo do passado.

O velho o PT era o cachorro correndo atrás do carro. Súbito, o automóvel parou. E o ex-PT, em vez de morder os pneus, abana o rabo para tudo o que combatia.

Na ante-sala de uma nova eleição, o petismo precisa despertar sua militância. É hora de o partido pôr os pingos nos seus próprios “is”.

Na semana passada, depois de mostrar o cartão vermelho para Sarney, Eduardo Suplicy arrostou a falta de educação de Ricardo Berzoini.

Em solenidade pública, o senador estendeu a mão para o deputado, presidente do PT. Ficou com a mão pendurada no ar.

Depois, Suplicy disse: se fizerem uma pesquisa, vão verificar que o sentimento dos filiados do partido se aproxima do meu.

Solidário com Suplicy, o repórter decidiu formular um questionário para a pesquisa que Berzoini não tem a intenção de fazer.

Para não embatucar a cabeça da militância, hoje mais preocupada em criar os filhos e encher a geladeira, sugere-se um rol de perguntas de múltipla escolha.

Nove questões. Mais ou menos assim:

1. O discurso do neo-PT deve:a) Atacar o que sempre defendeub) Defender o que sempre atacouc) Invocar a governabilidade

2. O PMDB é o melhor parceiro de jornada porque:a) Não há líder mais eficiente do que o Jucá
b) Ruim com o Sarney, pior sem elec) Se não cedemos, essa gente fecha com o Serra

3. Aos companheiros que pensam como o Suplicy resta:a) Pensar dez vezes antes de calarb) Lembrar que em boca que engole sapo não entra mosquitoc) Tomar suco de maracujá servido pelo ‘demo’ Heráclito

4. Aos saudosistas da esquerda recomenda-se que:a) Vençam na na vida, para virar direitab) Leiam o Lanterna na Popa, do Roberto Camposc) Releiam o Roberto Campos

5. Sob Dilma, o futuro reserva ao Brasil:a) Uma Pasárgada com o Sarney de amigo da rainhab) Uma Pasárgada com Renan na cama escolhidac) Todas as alternativas anteriores

6. A plataforma econômica de 2010 deve:a) Ficar à direita do Henrique Meirellesb) Continuar à direita do Meirellesc) Por que não manter o próprio Meirelles?

7. Dilma é a melhor sucessora para Lula da Silva porque:a) É mais Lula do que o próprio Silvab) Pensa como Lula e age como Silva
c) Substituirá o Lula guiada pelo Silva

8. A Dilma deve se compor com o capital porque:a) Se bom sentimento é utopia, melhor casar por dinheirob) O melhor regime é a comunhão de malesc) Dinheiro não traz felicidade, mas financia a eleição

9. O melhor epitáfio para o túmulo do ex-PT é:a) Fui cobrar de Marx a minha vida eterna;b) Deixo a ideologia para cair na vida;c) Não contem mais comigo.

Governo tenta no STF limitar poder dos procuradores
Para Advocacia da União, MPF não pode fazer investigações
Valter Campanato/ABr

Sem alarde, aportou no protocolo do STF, há nove dias, um parecer de teor inusitado. Assina-o José Antonio Dias Toffoli (na foto), advogado-geral da União.
No texto, Tofolli investe contra o Ministério Público. Defende a tese segunda a qual procuradores não tem poderes para realizar investigações criminais.

A prerrogativa do Ministério Público de abrir investigações está prevista na Lei Complementar número 75, de 1993. O artigo 8º dessa lei detalha as atribuições do Ministério Público.
O miolo da polêmica está em dois incisos desse artigo. Num deles, o inciso 5º, está escrito que o Ministério Público pode “realizar inspeções e diligências investigatórias”.
Noutro, o inciso 9º, está anotado que, no curso de suas investigações, o Ministério Público pode inclusive “requisitar o auxílio de força policial”.

Pois bem. No texto que enviou ao STF, o advogado-geral Toffoli pede ao tribunal que declare inconstitucional esse pedaço da lei.
Alega que investigações criminais são de atribuição exclusiva da polícia judiciária –a Polícia Federal, no caso da União; e as polícias civis, no âmbito dos Estados.

Datado de 18 de julho, o parecer de Tofolli chegou ao STF no dia 20. Foi anexado a uma ação movida pela Adepol (Associação dos Delegados de Polícia do Brasil).
A entidade protocolara no Supremo, no último dia 15 de julho, uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade). Leva o número 4271.

No documento, a Adepol se insurge contra várias prerrogativas do Ministério Público. Entre elas o poder de investigação conferido por lei aos procuradores.
A ação foi à mesa do ministro Ricardo Lewandowiski. Antes de decidir, o ministro optou, como manda a praxe, requisitar informações.

Em casos do gênero, a Advocacia Geral da União sempre é chamada a opinar. Suas atribuições estão previstas no parágrafo 3º do artigo 103 da Constituição.
Diz o seguinte: “Quando o STF apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de norma legal ou ato normativo, citará, previamente, o advogado-geral da União, que defenderá o ato ou texto impugnado”.

Ou seja, o advogado-geral Toffoli deveria defender, com unhas e dentes, o texto da lei que a Adepol deseja ver impugnada pelo STF. Deu-se, porém, o oposto.

Toffoli se insurge contra todas os tópicos da ação proposta pela Adepol, exceto no ponto em que se questiona o poder investigatório do Ministério Público.
Nesse quesito, o advogado-geral é peremptório. Eis o que escreveu Toffoli num trecho do parecer enviado ao STF:

“Revela-se fora de dúvida que o ordenamento constitucional não reservou o poder de investigação criminal ao Ministério Público, razão pela qual as normas que disciplinam tal atividade devem ser declaradas inconstitucionais”.
Para Toffoli, cabe ao Ministério Público exercer “o controle e a fiscalização da atividade policial”, não abrir investigações próprias.

Não considera “legítimo” que “o órgão controlador [Ministério Público] assuma as atribuições do órgão controlado [polícia]” a fim de investigar.
Acha que, mantido o poder dos procuradores de abrir investigações, a atividade do Ministério Público “estaria a salvo de qualquer controle externo”.
Não é a primeira vez que os poderes do Ministério Público são questionados. O que chama a atenção no caso é o fato de a Advocacia da União ter encampado a crítica.

Até aqui, o Ministério Público era alvejado por pessoas pilhadas em malfeitos, por advogados e por policiais enciumados. Nunca pelo advogado-geral da União.

O tema divide os ministros do Supremo. Há no tribunal decisões conflitantes. Parte a favor do Ministério Público. Parte contra.

Não há, porém, uma manifestação conclusiva do plenário, composto de 11 ministros. Algo que pode ser obtido agora, no julgamento da ação da Adepol.

Na página 15 de seu parecer, Toffoli menciona uma decisão tomada pela 2ª turma do STF. Texto de 2003, da lavra de Nelson Jobim, hoje ministro da Defesa de Lula.

Ao tempo em que integrava o STF, Jobim escreveu que “a Constituição dotou o Ministério Público do poder de requisitar diligências investigatórias […].” Mas “não contemplou a possibilidade” de o órgão “realizar e presidir inquérito policial”.

Há, porém, várias decisões em sentido contrário, que Toffoli se esquivou de mencionar. Uma delas da mesma 2ª turma, adotada em março de 2009, agora sem Jobim.

Está registrado na ata da sessão: “A 2ª turma do STF […] reconheceu por unanimidade que existe a previsão constitucional de que o Ministério Público tem poder investigatório”.

Num país em que proliferam a corrupção e os malfeitos, parece disparatada a ideia de impedir que o Ministério Público investigue.

A prevalecer esse entendimento, iriam à lata de lixo, por exemplo, os autos do caso do juiz Lalau. Baseia-se fundamentalmente em investigações do Ministério Público.

Estaria comprometido também um pedaço do processo do mensalão, em cujas folhas misturam-se apurações feitas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.

Toffoli, não é demasiado recordar, foi advogado do PT em três campanhas presidenciais. Hoje, é homem de confiança de Lula, que cogita indicá-lo para um cadeira no STF.
Fonte: blog do Josias

João Faustino diz que PSDB se afastará do Governo Wilma e poderá ter candidato próprio a governador
Foto:Divulgação

O ex-deputado federal e suplente de senador, o tucano João Faustino(Foto), confirma em entrevista à Tribuna do Norte deste domingo(29) que o deputado federal Rogério Marinho assumirá mesmo a presidência estadual do PSDB na convenção marcada para o dia 25 de setembro.Faustino diz que o PSDB deixará a base de apoio da governadora Wilma de Faria e irá para a oposição nas eleições de 2010.O ex-deputado assinala ainda que o partido poderá ter candidatura própria ao Governo do Estado, caso não consiga formar um palanque forte no RN para o candidato tucano à presidência da República, que deverá ser o governador José Serra.

Confira trechos da entrevista e João Faustino:

TN – O deputado Rogério Marinho será o próximo presidente do PSDB no RN?

JF – Rogério Marinho será o próximo presidente. Poderia ser Geraldo Melo, não é porque ele já cumpriu os dois mandatos que lhe cabia. O estatuto do partido é taxativo.

TN – Rogério passa a ser o principal líder do PSDB no Estado?

JF – Acho que o partido não teria principal líder. Ele tem líderes. Todo partido precisa ter líderes e se renovar. O partido só cresce quando se renova e só cresce quando lideranças se unem em torno de um projeto objetivo e claro. Está se tentando fazer com o PSDB um palanque para o nosso candidato a presidente da República.

TN – No Rio Grande do Norte, José Serra terá um palanque?

JF – Terá um palanque. Se não tiver uma aliança forte, o partido terá candidato próprio. Espera-se que tenha esse palanque, com participação dos Democratas, parte do PMDB, PPS conosco. Mas se a aliança que pensamos, que hoje existe, se vier a não existir, o partido terá candidato próprio.

TN – Em caso de candidatura própria, quem seria o candidato ao governo do Estado?

JF – O partido vai discutir. O meu nome está à disposição, o de Geraldo Melo está à disposição. Poderá ter candidato próprio. O que desejamos é um palanque forte para possibilitar o crescimento e fortalecimento do nosso candidato a presidente da República.

TN – O PSDB necessariamente deixará a base da governadora?

JF – Eu não vejo possibilidade de ocorrer outra coisa. É questão de tempo. Quando o partido tomar a decisão os companheiros terão que deixar o Governo. Cada um terá que tomar sua decisão. Não houve ainda uma decisão partidária. Há depoimentos com relação ao afastamento do partido do Governo. Isso acontecerá. É irreversível. O partido irá apoiar e estará próximo dos partidos e políticos que apoiarem o PSDB a Presidência da República. O partido não apoiará candidato que apóie Dilma Roussef.

Seminário RN 45 é exemplo no Brasil
Executiva nacional formará grupo para que demais estados sigam a experiência realizada no Rio Grande do Norte.
O seminário RN 45, idealizado pelo deputado federal Rogério Marinho (PSDB) e que percorre todo o Rio Grande do Norte promovendo a integração e fortalecimento do PSDB no estado, é considerado modelo para o partido a nível nacional. Os parlamentares federais tucanos de todo o país, que estiveram reunidos na quinta e sexta-feira (28), vão copiar a experiência potiguar nos demais estados da federação.
Reunidos no Rio de Janeiro para discutir estratégias e projetos do partido para 2010, mais de 40 deputados federais e senadores do PSDB debateram sobre conjunturas políticas locais e nacionais, os palanques estaduais, e também participaram de palestras sobre projetos e tendências na economia nacional. No entanto, a troca de experiências também marcou o encontro.
Dirigentes da Executiva Nacional da legenda expuseram as ações realizadas no Rio Grande do Norte, através do RN 45, e em Goiás e São Paulo como exemplo a serem seguidos nos demais estados do país. O RN 45, que é o seminário do PSDB que percorre o estado promovendo filiações e o debate sobre as propostas do partido para governar o país, já vai para a 13ª edição, sendo considerado um sucesso pela executiva da legenda e pelo deputado Rogério Marinho, organizador dos eventos.
“A nossa experiência foi considerada exemplo e demonstra que o trabalho realizado no estado vem ocorrendo de forma séria e eficiente. O exemplo não é só dentro do PSDB, mas também para outros partidos, que seguem promovendo atividades semelhantes”, disse o deputado federal Rogério Marinho, que participou do encontro no Rio de Janeiro.
Por proposta do deputado federal Luiz Paulo Veloso, um grupo será criado para levar a experiência do Rio Grande do Norte, Goiás e São Paulo aos demais estados, com vistas ao fortalecimento do PSDB em todo o país.
Fonte:Rogério Marinho Assessoria

Deputada Larissa Rosado é a nova líder do Governo na Assembléia Legislativa Foto:DivulgaçãoA deputada Larissa Rosado aceitou o convite da governadora Wilma de Faria e será a nova líder do Governo do Estado na Assembléia Legislativa.Larissa disse sim ao convite de Wilma neste sábado(29), depois de conversar com a governadora.“É mais um grande desafio na minha vida pública”, disse Larissa ao blog.Embora tenha aceito o convite, Larissa só passa a responder pela liderança do Governo a partir da próxima sexta-feira., quando haverá uma reunião da bancada governista com a governadora.E na reunião Wilma vai comunicar oficialmente à bancada que Larissa é a nova líder do Governo na AL.Fonte:Oliveira

Governadora assina nesta sexta convênios para combate à pobreza rural Fotos:Ivanizio Ramos Wilma, Robinson Faria e Fabian Saraiva
A governadora Wilma de Faria assina nesta sexta-feira (28) 79 convênios de combate à pobreza rural, que beneficiarão mais de 2.400 famílias do Estado, representando investimentos de mais de R$ 3,8 milhões. A solenidade, marcada para às 16 horas, ocorrerá durante a programação da Feira de Artesanato “A Beleza da Terra na Arte da Gente”, no Presépio de Natal, Candelária, Natal/RN.
Esses convênios fazem parte da Segunda Fase do Projeto de Redução da Pobreza Rural (PCPR), conhecido no Estado como Programa Desenvolvimento Solidário, integrante da estrutura da Secretaria de Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas). A meta é que até o final desta fase sejam financiados mil subprojetos, em um valor total de mais de R$ 50 milhões, o que beneficiará cerca de 30 mil famílias potiguares. Desses mil subprojetos, 700 deverão ser financiados até dezembro deste ano.
Além da assinatura dos convênios com as associações, a Sethas também assinará contratos com sete entidades com objetivo de fortalecer o processo de descentralização e controle social do Programa Desenvolvimento Solidário, por meio de ações de mobilização, sensibilização e capacitação dos atores sociais e das organizações comunitárias que participam do Programa, em 118 municípios, distribuídos nas 08 regiões geográficas do Estado. Serão investidos R$ 860 mil nessas ações.
Os objetivos específicos dessas ações são: sensibilizar e mobilizar aproximadamente oito mil representantes da sociedade civil para o fortalecimento dos conselhos municipais, em 118 municípios potiguares, fomentando o protagonismo comunitário como espaços de decisão das questões estratégicas para o desenvolvimento local e, capacitar cerca de 800 atores sociais e organizações comunitárias que participam do Programa Desenvolvimento Solidário nos temas Gestão Associativa, Políticas Públicas e Controle Social, Gestão Ambiental, Relação de Gênero, Geração e Etnia, e Economia Solidária e Acesso a Mercados.

PREFEITA DE MONTANHAS, LETINHA PARTICIPA DE FORMAÇÃO DE CONSELHO TURÍSTICO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ.Prefeita da cidade de Montanhas, Letinha(foto- esquerda) ao lado de particpantes do Encontro em Santa Cruz
A prefeita da cidade de Montanhas, Letinha esteve no município de Santa Cruz participando da criação do Conselho Turístico do Polo Agreste e Trairí que será formado com a participação de 15 municípios. O evento ocorreu no Centro João Dula, na cidade de Santa Cruz. Estiveram presentes, o Prefeito da cidade, José Péricles Farias e vários prefeitos da região do Agreste e Trairi, secretários municipais, coordenadoras da Secretaria de Turismo do Estado, Carmen Veras e Solange Portela, participaram do encontro.
prefeito da cidade de Santa Cruz, José Péricles Farias na abertura do encontro
Os municípios de Coronel Ezequiel, Jaçanã, Japi, Montanhas, Monte das Gameleiras, Nova Cruz, Passa e Fica, Santa Cruz, Santo Antônio, São Bento do Trairi, São Paulo do Potengi, Serra de São Bento, Sítio Novo, Serra Caiada e Tangará, são as cidades que participaram da formação do Conselho Turístico.
O objetivo do pólo turístico visa:
Diversificar a oferta turística, Estruturar os destinos turísticos, Dar qualidade ao produto turístico Ampliar e qualificar o mercado de trabalho, Aumentar a inserção competitiva do produto turístico no mercado internacional, Ampliar o consumo do produto turístico no mercado nacional, Aumentar a taxa de permanência e gasto médio do turismo nas regiões.

Comissão aprova criação de 8 mil vagas de vereadorPor Mário Coelho
A proposta que cria 8 mil novas vagas de vereadores no país foi aprovada de maneira rápida e silenciosa pela Câmara na madrugada desta quinta-feira (27). A votação ocorreu após o encerramento da sessão extraordinária de ontem, na comissão especial criada em 4 de agosto para tratar do tema na Casa. Cerca de 20 deputados participaram da discussão.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 336/09 eleva a quantidade de vereadores dos atuais 51.748 para até 59.791. Também foi aprovada a PEC 379/09, que tramita apensada e propõe a redução dos gastos com os legislativos municipais. O percentual máximo das receitas tributárias e das transferências municipais para financiamento da câmara de vereadores cai de 5% para 4,5% nas cidades com mais de 500 mil habitantes.

As duas PECs foram aprovadas sem modificações, da maneira que chegaram do Senado.

Segundo o relator, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a medida foi tomada para dar rapidez ao processo. “Considero necessário manter intacto o texto de ambas as propostas, mesmo porque, se os alterarmos, serão devolvidos ao Senado Federal”, explicou o parlamentar. A PEC ainda precisa ser votada pelo plenário em dois turnos.
Tramitação
Aprovada no ano passado pela Câmara e pelo Senado, a PEC dos Vereadores teve de tramitar de novo por causa de um desmembramento feito pelos senadores. A partir de um relatório do senador Cesar Borges (PR-BA), surgiram duas propostas. Uma que aumenta o número de vereadores e outra que altera os gastos com os legislativos municipais.

A PEC que eleva o número de vereadores foi aprovada pelos senadores, mas não chegou a ser promulgada. O então presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), recusou-se a promulgar a emenda constitucional com o argumento de que o acordo era a elevação do número de vereadores com a redução das despesas. De lá para cá, a pressão dos suplentes de vereadores para resolver o impasse tem sido grande.
Fonte:Câmara dos Deputados

Campestre: Prefeito Zequinha Borges decreta estado de emergência pelo prazo de 90 dias
Foto: Divulgação Prefeito da cidade de Campestre Zequinha Borges
Nem bem tomou posse, o prefeito de São José de Campestre, Zequinha Borges(Foto), baixou Decreto, publicado na edição de hoje do Diário Oficial do Estado(DOE), instituindo o estado de emergência administrativa no município.
Estado de emergência é pelo prazo de 90 dias.“O estado de emergência administrativo consiste na situação de dificuldades existentes, provocado por irregularidades praticadas por agentes políticos, causando um contexto de riscos fiscais, sociais e econômicos, abalando a estruturação do município, afetando a institucionalidade na iminência de conflitos que a administração pública não possa resolver, em face de débitos não negociados, desequilibrando receitas e despesas, atacando o ordenamento jurídico em vigência”, diz o Decreto assinado pelo prefeito Zequinha Borges.
Pelo decreto, a prefeitura municipal suspende por 90 dias os pagamentos para verificação da regularidade administrativa e contratual, com exceção dos débitos de natureza trabalhista.Também determina o recadastramento dos servidores públicos municipais e o horário de funcionamento das repartições, que será das 8 às 13 horas.
O Decreto convoca todos os credores para no prazo de 08 dias úteis apresentarem seus créditos com a documentação necessária e de direito para a formalização dos créditos e consolidação da dívida.
Ainda pelo Decreto, o secretário de Administração, Finanças e Tributação deve comunicar por ofício ao Ministério Público da Comarca de São José do Campestre, com cópia para o Procurador-Geral do Ministério Público, o crime praticado pelo gestor público anterior por não repassar na integralidade os recursos da Câmara Municipal até o dia 20 de cada mês.
Justificativa – Para justificar o Decreto instituindo o estado de emergência administrativa por 90 dias em São José de Campestre, o prefeito Zequinha Borges enumera uma série de problemas deixados pela administração anterior.
Entre outros itens, o Decreto cita:- Inadimplência do município com a União, que impede a prefeitura de receber recursos de transferências voluntárias.
– Débitos com a Previdência Social, Fundo de Garantia de Tempo de Serviço e PASEP.
– Atraso de pagamento na remuneração dos servidores públicos municipal, ainda de competências do exercício fiscal de 2009.
– Instauração de inquérito civil pelo Ministério Público estadual perante a comarca de São José do Campestre contra os gestores anteriores na data de 07 de agosto de 2009.
– Existência de débitos de custeio com a COSERN, CAERN e TELEMAR.
– Ausência de aprovação do PPA e LDO.- Paralisação de transporte escolar, do funcionamento das escolas municipais e ausência de merenda escolar, colocando em risco o ano letivo dos estudantes.- Ausência de médicos, abalando o sistema básico de saúde.
– Ausência do relatório resumido de execução orçamentária – reo e relatório de gestão fiscal, não permitindo a visibilidade da situação orçamentária e financeira da administração publica.
Página 672 de 698« Primeira...102030...670671672673674...680690...Última »