Ministério Público investiga despesa da Assembleia Legislativa com restaurante; gastos somam R$ 410 mil

Tribuna do Norte está acompanhando todos os passos e procedimentos que foram abertos pelo Ministério Público Estadual contra a Assembleia Legislativa na última sexta-feira (22). Ontem, o matutino teve acesso à representação que motivou a abertura do inquérito, que não se refere a auxílio-alimentação dos deputados estaduais e servidores, mas sim às despesas extras do Poder Legislativo com restaurantes de luxo e outros serviços, inclusive a entrega de rolos de papel higiênico. Esses gastos somam R$ 410 mil. Os dados constam no Inquérito Civil nº 104/2013, que vai investigar possíveis irregularidades nos gastos realizados nos últimos dois anos.

A investigação ficou sob a responsabilidade do promotor do patrimônio público Afonso de Ligório. A denúncia sigilosa chegou à Ouvidoria do Ministério Público e foi feita por meio eletrônico. Nela, constam  elementos que justificam o inquérito.  Todas as supostas irregularidades noticiadas guardam consonância a um único fato base, qual seja: gastos públicos no Âmbito da Assembleia Legislativa do Estado, disse o promotor no despacho no qual informa a abertura do procedimento de investigação.  A simples abertura não significa que há irregularidades comprovadas, e sim que os elementos apresentados motivam uma investigação. A partir daí, o Ministério Público vai constatar se há desrespeito a alguma legalidade.

Deixar um comentário