Nova Cruz/RN -

Pipa tem fiscalização em praias para cumprir decreto estadual

Visualização da imagem

Mais de 20 agentes atuaram em diferentes pontos de Tibau do Sul

Visualização da imagem

A Prefeitura de Tibau do Sul realizou, neste domingo (21), uma ação de fiscalização para o cumprimento do Decreto Estadual. Foram mais de 20 agentes, além da participação de secretários municipais, fiscalizando as praias de Pipa e restante de Tibau do Sul. A ação aconteceu nas principais praias da cidade, como Sibaúma, Praia do Amor, Praia do Centro, Praia do Madeiro e a praia de Tibau do Sul.

Durante a abordagem, os agentes instruíram os banhistas quanto as regras de distanciamento e uso de máscara, a proibição de aglomeração, consumo de bebida alcoólica e uso de caixas de som.

A ação foi instruída pelo prefeito Valdenício Costa, que ressaltou a gravidade da situação que a pandemia traz para todos: “O município sempre está ao lado do cidadão. Esse remédio amargo está sendo tomado agora para amenizar a situação lá na frente com menos casos de covid”, explicou o prefeito.

Durante a validade do Decreto Estadual, a prefeitura disponibilizará mais de 1.500 cestas básicas para famílias em situação de necessidade e mais de 2.000 unidades do chamado “kit aluno” que contém itens de cesta básica para famílias de estudantes da rede pública. Além de ações que visam diminuir o impacto que o Decreto gera na obtenção de renda do cidadão, a prefeitura está entregando ainda essa semana seis leitos de enfermaria Covid, para internação dentro do município para os casos positivados.

O Decreto Estadual Nº 30.419 de 17/03/2021 estabelece regras mais restritivas para o enfrentamento da emergência de saúde pública, e é valido entre 20/03/2021 à 02/04/2021.

QUALIDADE DA ÁGUA É REGULAR EM 73% DOS RIOS BRASILEIROS, DIZ RELATÓRIO

Força-Tarefa da Amazônia: AGU obtém bloqueio de R$ 18, 8 milhões em bens de desmatadores

Mário Oliveira

Relatório foi divulgado hoje pela Fundação SOS Mata Atlântica

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Uma análise feita nos rios brasileiros pela organização não governamental SOS Mata Atlântica mostrou que, nos 130 pontos monitorados no ciclo de 2020 a 2021, 95 (73,1%) apresentaram qualidade regular da água. Em 22 (16,9%) e qualidade é considerada ruim e 13 (10%) estão em boa condição. Não há pontos com qualidade de água ótima ou péssima.

Segundo o Retrato da Qualidade da Água nas Bacias Hidrográficas da Mata Atlântica, divulgado hoje (22), dos 95 pontos fixos de monitoramento, em que é possível fazer um comparativo com o período anterior (2019-2020), houve variações expressivas em 20 pontos.

Os dados mostram que a condição da qualidade da água melhorou em 10 pontos e manteve estabilidade nos indicadores, mesmo com variações climáticas intensas nos períodos de seca e chuva, em 75 pontos. No comparativo, também não foram encontrados pontos com condição ótima ou péssimo.

Segundo os analistas da SOS Mata Atlântica, é possível destacar a tendência de melhoria na qualidade ambiental de rios e córregos urbanos em 2020 devido aos índices de coleta e tratamento de esgoto e do isolamento social que resultou na redução de fontes de poluição.

De acordo com o coordenador do projeto Observando os Rios da Fundação SOS Mata Atlântica, Gustavo Veronesi, a situação de um rio é o espelho do comportamento da sociedade, e o processo de degradação de um corpo d’água, por lançamento de esgotos sem tratamento ou desmatamento de suas margens é rápido, mas, a recuperação pode demandar muitos anos.

“Por isso, os indicadores e dados mudam pouco, mas os rios têm, em geral boa capacidade de se recuperar, desde que não fiquemos parados. É preciso agir agora, mudar a nossa forma de gestão e governança e como consumimos a água”, disse.

O relatório mostra que a temperatura em alguns rios chegou a 30ºC ou mais, o que é considerado um sinal de alerta sobre os impactos das mudanças climáticas sobre a qualidade da água, já que as altas temperaturas reduzem o oxigênio na água e afetam sua qualidade. Segundo a SOS Mata Atlântica, as temperaturas adequadas nos pontos monitorados deveria ser entre 18ºC e 23ºC.

Para a diretora de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, as autoridades devem prestar uma atenção especial na qualidade da água e na proteção dos grandes rios na Mata Atlântica, para garantir a segurança hídrica. Segundo ela, é preciso enfatizar as ações voltadas às populações que vivem em situação de vulnerabilidade social e econômica e sem acesso ao saneamento básico.

“Também é preciso dar atenção aos que perderam moradia e passaram a viver nas ruas das cidades e em beira de rios ao longo da pandemia. Os indicadores levantados também reforçam que em áreas rurais há a necessidade de fiscalização e controle contra o uso intensivo de agrotóxicos e fertilizantes”, afirmou.

Água e floresta

O relatório indica que, dos dez pontos que melhoraram de condição alcançando o índice de qualidade de água boa, cinco estão próximos de áreas protegidas ou com mata nativa. Entre eles estão os rios Pratagy, em Alagoas, Biriricas, no Espírito Santo, o Córrego Bonito, na cidade de mesmo nome, em Mato Grosso do Sul.

Em pontos dos rios Tietê e Jundiaí, em São Paulo, o índice de qualidade da água foi considerado bom. Dos 14 pontos de monitoramento fixos, quatro apresentaram melhora. “O ponto do Tietê é na cidade de Salesópolis, onde fica sua nascente, e o Rio Jundiaí, no município de Salto. Os outros pontos com melhoria foram encontrados nos estados de Pernambuco, Sergipe e outros três em São Paulo. Estes últimos saíram de ruim para regular”, explicou Veronesi. O rio também saiu da condição ruim para regular nas cidades de Itu, Salto e Santana de Parnaíba.

O Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional das Águas (ANA) foram procurados para comentar os resultados, mas ainda não deram retorno.

Em resposta a ANA disse que não comenta estudos de outras instituições.

OMS: câncer de mama supera o de pulmão e já é o mais comum no mundo

Autoexame câncer de mama

Divulgação

Informação é da Agência Internacional para a Investigação do Câncer

Por Agência Brasil* – Genebra

O número de novos casos de câncer de mama em 2020 representou 11,7% do total de todos os diagnósticos da doença no ano e superou o câncer de pulmão, que até então afetava o maior número de pessoas. No entanto, o câncer de pulmão continua a ser maior causa de mortes.

De acordo com a Agência Internacional para a Investigação do Câncer, da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2020 foram diagnosticados mais de 2,2 milhões casos de câncer de mama, 11,7% do total, sendo o que mais pessoas atinge no mundo.

A diferença para o câncer de pulmão – que era o mais diagnosticado – não é muita, segundo a agência.

Com 11,4% do total, o câncer de pulmão é o segundo mais encontrado, mas continua a ser aquele que mais pessoas mata. Em 2020 foi responsável pela morte de quase 1,8 milhão de pessoas, 18% do total de mortes por câncer. E se o da mama foi o mais diagnosticado em 2020, é apenas o quinto na lista dos que mais matam, depois do pulmão, colorretal, fígado e estômago.

Uma das razões para que o câncer de mama tenha se tornado de maior incidência pode estar relacionado, dizem os especialistas, a fatores sociais como o envelhecimento da população, a maternidade cada vez mais tardia ou outras situações como a obesidade, o sedentarismo, consumo de álcool ou dietas inadequadas. Essas informações foram dadas ao jornal El País pelo médico Álvaro Rodriguez-Lescure, presidente da Sociedade Espanhola de Oncologia.

De acordo com os dados da OMS, é possível verificar que o câncer de próstata foi, no ano passado, o terceiro mais diagnosticado.

A doença é, no entanto, a oitava em relação ao número de mortes. No ano passado perderam a vida com câncer de próstata 370 mil pessoas.

* Com informações da RTP – Rádio e Televisão de Portugal

RN recebe novo lote de vacinas contra Covid-19

O Rio Grande do Norte recebeu na tarde deste sábado (20) um novo carregamento de vacinas contra a Covid-19. O plano de imunização coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) é reforçado com 81,7 mil doses de imunizante, sendo 16,5 mil da Oxford/AstraZeneca e 65,2 mil vacinas da CoronaVac.

As vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde deverão ter como foco a ampliação da imunização de todos os trabalhadores da saúde, quilombolas, indígenas e previsão de iniciar a vacinação da população de rua. Além da continuidade da vacinação de idosos no RN, ampliando a faixa de idade para 74 e 73 anos de acordo com o plano de operação organizado em cada município.

Com essa nova leva de imunizantes, a Sesap ultrapassa as 150 mil doses recebidas em uma semana. A remessa será organizada na Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) e entregue aos municípios seguindo o mesmo esquema montado para as operações anteriores, com apoio das forças de segurança do Estado.

Esta semana o RN chegou a 165.375 potiguares que receberam ao menos uma dose de imunizante contra a Covid-19, segundo os dados da plataforma RN+ Vacina. O número representa 62% do público prioritário estimado para a fase 1 do plano de imunização. A Sesap busca atingir ao menos 90% deste público com vacinas. Até o fim desta sexta-feira (19), 55.304 tinham recebido a segunda dose, ultrapassando assim as 220 mil vacinas aplicadas no estado.

Os dados da RN+ Vacina são operados pela Sesap, em cooperação com o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do RN (LAIS/UFRN) e abastecido pelos municípios.

Para acessar a plataforma de vacinação em tempo real acesse:

https://rnmaisvacina.lais.ufrn.br/transparencia/vacinacao/

Fonte:ELISA ELSIE – ASSECOM/RN

Hacker preso pela PF atuava na Prefeitura de Petrolina (PE)

8bf0b28230 Hacker preso pela PF atuava na Prefeitura de Petrolina (PE)

Foto:Divulgação

Um dos presos pela Polícia Federal, nesta sexta-feira (19), por suspeita de participação no vazamento de dados de mais de 220 milhões de brasileiros é funcionário comissionado da Prefeitura de Petrolina (PE). Yuri Batista Novaes Goiana Ferraz exercia a função de gestor de Modernização Administrativa. A informação foi divulgada na coluna Painel, da Folha de São Paulo.

O hacker foi detido por suspeita de reunir e vender os dados vazados. O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), é filho do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo de Jair Bolsonaro no Senado.

Ainda segundo a Folha, a Prefeitura não tem telação com os crimes em apuração. Por meio de nota, o município afirmou que Yuri Ferraz será exonerado.

O suspeito foi preso durante as buscas realizadas pela PF por portar uma arma sem registro. No fim da tarde de ontem, o ministro do STF Alexandre de Moraes decretou sua prisão preventiva a pedido dos investigadores.

A ação da PF foi batizada de Operação Deepwater e também prendeu outro suspeito, Marcos Roberto Correia da Silva, conhecido como VandaThegod, em Uberlândia (MG). Ele já era investigado em outros casos de roubo de dados, como no acesso a informações do Tribunal Superior Eleitoral.

Fonte: Robson Pires

Asteroide que passará próximo à Terra pode ser observado neste domingo

Asteroide 2001 FO32 passará bem próximo à Terra, afirma Nasa.

NASA

Observação do corpo celeste será “oportunidade científica valiosa”

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Com cerca de um quilômetro de diâmetro e por volta de 550 metros de largura, o asteroide 2001 FO32 passará, neste domingo (21), muito perto da Terra, segundo padrões astronômicos.

Formado nos primórdios do Sistema Solar e viajando a aproximadamente 124 mil quilômetros por hora (km/h), o asteroide não ameaça colidir com a Terra, apesar de ter sido classificado como “potencialmente perigoso” pela Nasa.

“Conhecemos a rota orbital do 2001 FO32 ao redor do Sol precisamente, já que ele foi descoberto há 20 anos e tem sido rastreado desde então”, afirmou o diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da agência aeroespacial norte-americana (Nasa), Paul Chodas. “Não há risco de colisão dele com nosso planeta nem agora, nem nos próximos séculos.”

A maior proximidade do asteroide com a Terra será por volta das 13h (horário de Brasília) deste 21 de março. De acordo com a Nasa, ele estará a uma distância de cerca de 2 milhões de km – o equivalente a pouco mais do que cinco vezes a distância entre a Terra e a Lua.

Segundo a agência, o F032 é o maior entre os asteroides que se aproximarão da Terra em 2021 – o que proporcionará aos astrônomos “uma rara oportunidade de se observar uma relíquia rochosa que se formou no início do nosso sistema solar”.

A próxima visita do asteroide às vizinhanças da Terra está prevista para 2052, quando ele passará a cerca de sete distâncias lunares, ou 2,8 milhões de quilômetros do planeta.

De acordo com a Nasa, mais de 95% dos asteroides próximos à Terra com tamanho similar ou maior ao do F032 já foram descobertos, rastreados e catalogados. Nenhum deles tem qualquer chance de impacto direto com o planeta.

“Ainda assim, os esforços continuam para descobrir todos os asteroides que podem representar um risco de impacto. Quanto mais informações puderem ser reunidas sobre esses objetos, melhor os projetistas de missões podem se preparar para desviá-los se algum ameaçar a Terra no futuro”, destaca a agência.

Agência Brasil

Cilindros industriais poderão ser utilizados para fins medicinais

cilindros de oxigênio

Ministério da Saúde

Flexibilização da Anvisa ajudará na distribuição de oxigênio

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Cilindros de gases industriais poderão ser utilizados para receber oxigênio medicinal para serem distribuídos na área da saúde pública. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu, temporariamente, essa exceção para aumentar a capacidade de produção deste insumo, em razão do agravamento da pandemia de covid-19.

A resolução foi publicada na noite de ontem (19) em edição extra do Diário Oficial da União de forma ad referendum, ou seja, será submetida oportunamente à aprovação da Diretoria Colegiada da Anvisa.

Com isso, poderá ser utilizado o cilindro cinza, ao invés do verde, pra envasar oxigênio medicinal. De acordo com a Anvisa, as empresas deverão atender a alguns critérios de qualidade, como utilização de válvulas testadas e aprovadas, limpeza adequada dos cilindros industriais para eliminar contaminação cruzada e rotulagem adequada para o gás medicinal.

Também poderão ser utilizadas, para envasamento dos gases medicinais, unidades e rampas de gases industriais, sem a necessidade de análise de projeto arquitetônico e licenciamento sanitário pelas autoridades locais. Para isso, basta que a empresa tenha a Autorização de Funcionamento (AFE). Segundo a agência, atualmente, os pedidos de concessão ou alteração de AFE relacionados a gases medicinais estão sendo priorizados de forma ativa. Após o protocolo do pedido, a decisão é publicada em até 48 horas.

A Anvisa anunciou na noite de ontem (19), quatro medidas para evitar o desabastecimento de insumos usados no combate à pandemia de covid-19. Além de abrir exceção sobre os cilindros de oxigênio, a agência autorizou a importação direta de diversos medicamentos e dispositivos médicos não regularizados no país.

Os medicamentos usados para a intubação de pacientes também obedecerão temporariamente a regras mais simples de fabricação e de venda. E ainda, a distribuição desses produtos foi facilitada.

Agência Brasil

Pandemia motiva Volkswagen a suspender produção no Brasil

Fábrica da Volkswagen no Brasil.

Apenas atividades essenciais serão mantidas

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil – Brasília

A montadora alemã Volkswagen anunciou hoje (19) a suspensão de atividades relacionadas à produção. A decisão atinge as fábricas de São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP), São Carlos (SP) e São José dos Pinhais (PR). A suspensão, segundo a montadora, será até o dia 4 de abril. Nas fábricas, apenas atividades essenciais serão mantidas. Funcionários da área administrativa trabalharão em regime de home office.

O motivo, segundo a montadora, é o crescente número de casos de covid-19 no país e a crise nos leitos de UTI. “Com o agravamento do número de casos da pandemia e o aumento da taxa de ocupação dos leitos de UTI nos estados brasileiros, a empresa adota esta medida a fim de preservar a saúde de seus empregados e familiares. Nas fábricas, só serão mantidas atividades essenciais. Os empregados da área administrativa atuarão em trabalho remoto. A medida foi tomada em conjunto com os Sindicatos locais.”

O Brasil tem batido recordes diários de mortes e contaminações por covid-19. Governadores de estados como Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal determinaram medidas restritivas como toques de recolher e fechamento do comércio. O país se aproxima da marca de 300 mil mortes e 11,8 milhões de contaminações.

Agência Brasil

Dia da Felicidade: apesar da pandemia, é possível celebrar

Parque Municipal de Belo Horizonte.

Foto: Divulgação

ONU proclamou o 20 de março como o Dia Internacional da Felicidade

Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Neste sábado, 20 de março, é comemorado o Dia Internacional da Felicidade. As Organizações das Nações Unidas (ONU) celebram a data desde 2013, como uma forma de reconhecer a importância da felicidade na vida das pessoas em todo o mundo. Em 2015, a ONU lançou os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável , que buscam erradicar a pobreza, reduzir a desigualdade e proteger o planeta – três aspectos essenciais que levam ao bem-estar e à felicidade.

As Organizações das Nações Unidas convidam todas as pessoas de qualquer idade a se juntarem à celebração do Dia Internacional da Felicidade. Mas, depois de um ano de pandemia, é preciso de uma dose extra de esforço para lidar com as emoções que bloqueiam e diminuem a felicidade, dizem os especialistas.

Na opinião do professor de Felicidade da Universidade de Brasília (UnB), Dr. Wander Pereira, é possível comemorar o Dia Internacional da Felicidade, no período de pandemia e em outros momentos de incertezas. “A vida é feita de situações e momentos distintos e cada um deles requer um tipo de emoção e sentimento. É lógico que diante das perdas de vidas humanas (próximas ou não) de uma forma tão dramática como a que vivemos, não há como não ficar triste indignado e até revoltado, mas a vida não é só isso”, destaca Pereira, doutor em Psicologia pela UNB. Ele completa:

“Felizmente, a vida segue e cada um de nós tem pais, filhos, namoradas, namorados, maridos, esposas, amigos, casa, trabalho, etc. ou seja, uma vida para cuidar, então é preciso estarmos aptos a desfrutar das situações de felicidade. A infelicidade que a pandemia nos trouxe não pode contaminar as outras coisas boas da nossa vida, portanto, o Dia Internacional da Felicidade é um dia para celebrar sim!”

No entanto, diante da realidade posta, não é aconselhável negar as emoções negativas, explica o professor. “As grandes catástrofes nos impõem medo, insegurança e incerteza, e isso é normal, quem não sentir isso está meio fora da curva. Não é recomendável renegar as emoções ditas negativas, devemos abraçá-las e nos engajarmos para transformá-las em vivências significativas! Aquele tipo de atitude que melhora o nosso modo de lidar com elas.

Uma dica é não ficar parado, estacionado na tristeza. Mova-se, comece com pouco, mas faça o melhor com o que você tem!”

Relacionamentos e a felicidade

O isolamento social que a pandemia exigiu levou ao distanciamento social entre as pessoas em geral, mas levou a aproximação entre os casais e os núcleos familiares mais íntimos. No entanto, essa aproximação pode ter levado ao aumento da separação entre casais. O número de divórcios consensuais realizados pelos cartórios de notas do país, durante a quarentena decretada pela pandemia do novo coronavírus, entre os meses de maio e junho deste ano, aumentou 18,7%.

“Possivelmente, os relacionamentos que já estavam adoecidos antes da pandemia não tenham resistido a esse período. Mas, muitos relacionamentos foram “reformados”, reinventados e outros tantos começaram em meio à crise. Ouço as pessoas falando que a pandemia trouxe uma oportunidade de reflexão para a humanidade e discordo disso. A humanidade é um conceito etéreo, a pandemia está sendo uma grande oportunidade para cada um de nós como pessoas. Para iniciarmos aquele processo de transformação que, por comodismo, vínhamos ‘empurrando com a barriga’, a hora é agora”, opina o professor.

Segundo ele, este é o momento ideal para o autoconhecimento. “Em momentos extremos nossos sentimentos mais básicos afloram, tudo ganha outra magnitude, então aproveite para se conhecer melhor, se aprimorar e se preparar para viver relacionamentos mais saudáveis, mais verdadeiros”, orienta.

Dinheiro não traz felicidade?

A velha máxima de que ‘dinheiro não traz felicidade’ ganha outro sentido durante a pandemia, época em que grande parte da população passa por crise financeira e milhares ficaram sem emprego e renda. Na opinião do professor, dinheiro é importante, mas não é tudo.

“Ter muito dinheiro não é garantia de felicidade. O problema é que, sim, pouco dinheiro nos deixa infelizes. Os países com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais baixos também são os piores nos rankings de felicidade. Porém, o grande diferencial é o jeito com que você vive sua vida, a pesquisa de Havard Study of Adult Development (a mais longeva sobre felicidade) conclui que para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida, é preciso investir na qualidade dos nossos relacionamentos sociais”.

Ele destaca que é preciso solidariedade e força de vontade política para atenuar a situação dos mais afetados pela falta de dinheiro. “É importante que no pós-pandemia todos nós tenhamos essa preocupação com as pessoas que perderam seus empregos e sua renda, sermos solidários, mas é óbvio que será preciso políticas sociais dos governos para atenuar a situação”.

Nesta sexta-feira (19) a ONU divulgou o Relatório Mundial de Felicidade no qual o  Brasil ocupa agora o 41º lugar, 9 posições abaixo do ranking de 2020. A nota atribuída ao Brasil, baseada em dados de 2020, é de 6,110. Essa é a menor média para o país desde 2005, quando o instituto de pesquisas começou sua avaliação.

O relatório também apontou que a infelicidade aumentou no mundo todo, tendo havido maior insegurança econômica, ansiedade, perturbação de todos os aspectos da vida e, para muitas pessoas, estresse e desafios para a saúde física e mental. “O pior efeito da pandemia foram 2 milhões de mortes por covid-19 em 2020. Um aumento de quase 4% no número anual de mortes em todo o mundo representa uma grave perda de bem-estar social”, afirma o documento.  O relatório é feito anualmente para analisar a percepção do sentimento em 153 países. A Finlândia é o país mais feliz do mundo, pelo quarto ano consecutivo.

Felicidade da população feminina

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, um fenômeno batizado como “paradoxo da felicidade feminina” mostra que, apesar de todas as conquistas ao longo dos anos, as mulheres estão mais infelizes. É o que diz uma pesquisa feita pela organização CARE, que mostrou que elas têm quase três vezes mais probabilidade de relatar ansiedade, perda de apetite, incapacidade de dormir e dificuldade em concluir as tarefas diárias.

Para chegar a esse resultado, foram ouvidas mais de 10 mil pessoas em 38 países, incluindo os da América Latina. O levantamento foi feito pela CARE Internacional, uma rede que possui mais de 60 anos de experiência em ajuda humanitária e no combate à pobreza.

As causas são diversas e ampliadas com a pandemia. Dos milhões de demissões observadas nos primeiros meses de pandemia, as mulheres formaram o maior grupo, tanto em países desenvolvidos quanto nas nações em desenvolvimento. Ainda há a discrepância na divisão do trabalho doméstico.

Pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostrou que 63% das mulheres fazem trabalhos relativos aos cuidados com a casa contra apenas 23% dos homens.  No acompanhamento da escola remota, quase toda a carga da atenção às crianças é novamente delas, a pesquisa apontou que 71% eram mulheres e apenas 19%, homens.

E com mais um ano de pandemia pela frente, é preciso resiliência e conhecimento para que as mulheres sejam felizes, apesar do momento delicado e das adversidades da vida. “A felicidade não deve ser alicerçada em condições externas – isso a torna quase inviável. Ela é uma construção feita sobre dois pilares: a vivência de mais emoções de valência positiva que negativa e a percepção de se ter uma vida significativa. O segundo pilar – da vida significativa, do propósito – é o que nos sustenta diante dos desafios”, aponta a pesquisadora Carla Furtado, fundadora do Instituto Feliciência.

Neste momento, o desenvolvimento da resiliência é um fator positivo. “A resiliência é compreendida como a habilidade de navegar em busca de recursos para funcionar de maneira positiva em situações adversas: sem adoecer a médio e longo prazo. Manter-se em situações tóxicas não é o desfecho esperado de um processo de resiliência. Não se deve acreditar no mito de que suportar toda e qualquer situação é sinônimo de resiliência. O que se espera como desfecho saudável é: recuperação, adaptação ou transformação positivas”, explica Carla.

Segundo a pesquisadora, mudar o “paradoxo da felicidade feminina” é um trabalho coletivo, de homens e mulheres. “Para mudar essa realidade é preciso real equidade de gênero, seja no ambiente profissional ou familiar. Tomemos a pandemia, por exemplo, as mulheres estão sobrecarregadas com trabalho, cuidados com a casa e acompanhamento de atividades escolares dos filhos. Elas têm quase três vezes mais probabilidade de relatar ansiedade, perda de apetite e incapacidade de dormir”, destaca.

Com a pandemia, a vulnerabilidade das mulheres tornou-se ainda mais evidente. Para encarar mais um ano de pandemia, a pesquisadora recomenda atenção redobrada à saúde mental, a partir da adoção de práticas protetivas. “Destaco aqui a importância do descanso, em especial do sono restaurador. Não é normal dormir pouco, pode ser usual, mas não deve ser considerado normal. O estabelecimento de uma rede de apoio é outra medida essencial, a travessia ainda não acabou e teremos maior resistência ao lado de pessoas significativas. E diante da impossibilidade de lidar efetivamente com a rotina há sempre possibilidade de buscar assistência especializada”, finaliza a especialista.

História do dia da felicidade

A Assembleia Geral das Nações Unidas na sua resolução 66/281 de 12 de julho de 2012 proclamou 20 de março o Dia Internacional da Felicidade, reconhecendo a relevância da felicidade e do bem-estar como objetivos e aspirações universais na vida dos seres humanos em todo o mundo e a importância de seu reconhecimento nos objetivos de política pública. Também reconheceu a necessidade de uma abordagem mais inclusiva, equitativa e equilibrada para o crescimento econômico que promova o desenvolvimento sustentável, a erradicação da pobreza, a felicidade e o bem-estar de todos os povos.

A resolução foi iniciada pelo Butão, um país que reconheceu o valor da felicidade nacional sobre a renda nacional desde o início dos anos 1970 e adotou a meta de felicidade nacional bruta sobre o produto interno bruto. Também sediou uma Reunião de Alto Nível sobre “Felicidade e Bem-estar: Definindo um Novo Paradigma Econômico” durante a sexagésima sexta sessão da Assembleia Geral.

Agência Brasil

CANGUARETAMA: Morre a filha do Prefeito Wellinson Ribeiro

Faleceu a filha do prefeito de Canguaretama, Wellinson Ribeiro, a pequena Sophia Lisboa Pinto Ribeiro.

A Prefeitura emitiu nota de pesar:

Fies é desidratado e terá em 2021 menor número de vagas em 10 anos

Fachada do Ministério da Educação, responsável pelo Fies, em Brasília, em 2019. Orçamento é desafio para expansão do programa – Sérgio Lima/Poder360 – 5.jun.2019

Serão ofertados 93.000 contratos

Ápice foi em 2014, com 732 mil

Em 2022, deverá ter novo corte

 

Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) ofertará em 2021 o menor número de vagas em 10 anos. O governo prevê que sejam disponibilizados no 1º e 2º semestre 93.000 contratos. A última vez que houve tão poucas ofertas foi em 2011, com 76.129 beneficiários contemplados.

Desde o ápice, em 2014, o fundo de financiamento perdeu 87,3% das vagas. Naquele ano, foram fechados 732.673 contratos. O governo, à época, era comandado por Dilma Rousseff (PT).

Anos depois, o país afundou em uma grave crise econômica que desregulou as contas públicas e obrigou as autoridades a cortarem gastos. De 2017 para 2018, o Fies perdeu mais da metade das vagas, e se manteve assim até o ano passado (2020). Agora, o programa sofreu novo corte –saindo de 100.000 bolsas ofertadas para as atuais 93.000.

Leis os números:

A situação fiscal e orçamentária do governo é empecilho para a expansão do programa. Segundo o Ministério da Educação, “diversos contratos apresentaram atrasos de pagamento” com o passar dos anos. Em 2017, foram publicadas normas para estabelecer a quantidade de vagas.

Em resolução (íntegra – 144 KB) publicada no fim de 2019 e assinada pelo secretário de Ensino Superior do MEC, Arnaldo Lima, a previsão de bolsas para o Fies em 2021 era de 54.000 –número ainda menor do que o ofertado agora. À época, o ministério era comandado por Abraham Weintraub, posteriormente demitido depois de xingar ministros do STF (Superior Tribunal Federal) de vagabundos.

Em 2020 e 2021 foram alocados R$ 500 milhões do FG-Fies (Fundo Garantidor do Fies) para a realização do programa.

Para 2022, a previsão é de novo corte de vagas.

Poder360 procurou o Ministério da Educação para comentar os dados, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

O Poder360

“Brasil representa ameaça global”, diz epidemiologista Ethel Maciel

Epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a pesquisadora Ethel Maciel afirmou, em entrevista ao Metrópoles, que o Brasil representa uma grande ameaça ao mundo por conta de equívocos na condução da pandemia de Covid-19. Segundo a especialista, a vacinação lenta e a circulação de variantes do novo coronavírus na população brasileira preocupam todo o planeta.

“Se a gente deixa o vírus circular livremente, como está acontecendo aqui no Brasil, há a emergência de novas variantes que podem impactar na vacinação. Essa é a grande preocupação do mundo todo hoje. Por isso o Brasil representa uma ameaça global”, disse (confira a partir de 6′)

De acordo com a especialista, o Brasil errou ao negociar doses de vacinas contra a Covid-19 e destacou outros equívocos: “A gente falhou em todo o sistema de saúde. Falhamos por não comprar vacina. Também falhamos por não adotar medidas restritivas”.

A professora destacou que os estudos indicam que abril será o mês mais crítico desde o início da pandemia de Covid-19 no país. Segundo ela, é esperada uma média de 4 mil mortes por dia. Nesta sexta-feira (19/3), foram registradas 2.815 mortes em decorrência da Covid-19.

Ethel explicou um dos prováveis motivos para a lotação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em todo o Brasil, incluindo o Distrito Federal. Segundo dados da startup In Loco, 24 estados e o DF têm taxas de ocupação dos leitos de UTI para a Covid-19 no SUS iguais ou superiores a 80%.

Segundo ela, os jovens são afetados com maior gravidade pela nova cepa da Covid-19 e eles passam períodos mais longos internados do que os idosos, ocupando, assim, os leitos por mais tempo. “Nós já sabíamos, desde os primeiros estudos, que essas novas variantes, principalmente a do Reino Unido, transmitia mais e passava para os mais jovens. Eles felizmente respondem melhor ao vírus, mas ocupam por mais tempo os leitos de UTI. Tínhamos uma média de oito dias [de internação] e agora a média subiu para 12 dias e, em alguns casos, um pouco mais”, explicou (7’28”).

Ethel disse estar torcendo para o sucesso do médico cardiologista Marcelo Queiroga no comando do Ministério da Saúde. A pesquisadora também falou, na entrevista, sobre o trabalho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no combate ao coronavírus. Segundo a epidemiologista, ter um presidente “que só atrapalha” em um momento de crise é “muito grave”. Ethel, no entanto, destacou o sucesso do Sistema Único de Saúde (SUS) diante da pandemia.

METRÓPOLES

MPF pede explicação da PF sobre inquéritos por Lei de Segurança Nacional

O MPF (Ministério Público Federal) do município de Araguaína, no Tocantins, entrou hoje com um pedido para que a PF (Polícia Federal) preste esclarecimentos sobre inquéritos ou outros procedimentos investigativos feitos com base na Lei de Segurança Nacional. A medida é uma reação aos recentes casos de prisões e instalações de inquéritos contra críticos do presidente Jair Bolsonaro justificados pela lei.

A procuradoria da República de Araguaína quer saber se tramitam na unidade da Polícia Federal do município inquéritos policiais, verificações preliminares de informação ou quaisquer outros procedimentos instaurados com base na Lei de Segurança Nacional. O MPF também pede acesso a esses processos caso eles existam.

O procurador Thales Cavalcanti Coelho, que assina o pedido, ressalta que o uso da Lei de Segurança Nacional contra críticos do governo atenta contra princípios do Estado democrático de direito, como a liberdade de expressão.

“Nesse contexto, a crítica – ainda que veemente, ácida, irônica e até injusta – aos governantes, às instituições públicas e à ordem social figura no núcleo essencial da liberdade de expressão”, escreveu Coelho. “A criminalização de manifestações, ainda que duras, dirigidas contra elevadas autoridades, como o Presidente da República, ou contra instituições públicas, como as Forças Armadas, revela-se incompatível, ao menos a princípio, com a Constituição da República”, completou.

Thales Cavalcanti Coelho lembrou ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) já se manifestou anteriormente estabelecendo que a liberdade de expressão desfruta de “posição preferencial” no Estado Democrático de Direito. A Polícia Federal tem 10 dias úteis para responder os questionamentos colocados pela procuradoria.

UOL

Covid-19: Brasil registra 2.815 mortes e 90 mil novos casos

Passageira de ônibus BRT no Rio, adere ao uso de máscara descartável por precaução contra o coronavírus

Frenando Frazão

Número de recuperados é de 10.383.460 – 87,5% do total

Por Heloisa Cristaldo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O número de mortes por covid-19 no Brasil subiu para 290.314. Em 24 horas, foram registradas 2.815 mortes. Segundo os números publicados pelo Ministério da Saúde, hoje (19), foi o 2º dia em que mais se registraram óbitos desde o início da pandemia.

Ainda há 3.204 mortes em investigação por equipes de saúde. Isso porque há casos em que o diagnóstico sobre a causa só sai após o óbito do paciente.

O país registrou, nesta sexta-feira, 90.570 novos casos do novo coronavírus. A atualização é elaborada a partir das informações levantadas pelas autoridades estaduais e locais de saúde sobre casos e mortes provocados pela covid-19.

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil. (19.03.2021)

O número de pessoas recuperadas chegou a 10.383.460. Já a quantidade de pacientes com casos ativos, em acompanhamento por equipes de saúde, ficou em 1.197.616.

Estados

O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (66.798), Rio de Janeiro (34.830), Minas Gerais (21.540), Rio Grande do Sul (16.507) e Paraná (14.658). Já as Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.168), Amapá (1.216), Roraima (1.274), Tocantins (1.775) e Sergipe (3.234).

De acordo com Ministério da Saúde, a covid-19 está presente em 100% dos municípios brasileiros. Contudo, mais da metade das cidades (4.177) possuem entre 2 e 100 casos. Em relação aos óbitos, 2.329  municípios tiveram novos registros, sendo que 1.086 deles apresentaram apenas um óbito confirmado.

Agência Brasil

Petrobras anuncia redução do preço da gasolina nas refinarias

Edifício sede da Petrobras na Avenida Chile, centro da cidade.

O reajuste começa a valer a partir de amanhã

Por Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

A Petrobras anunciou hoje (19) que o preço médio da gasolina em suas refinarias terá redução de R$ 0,14 por litro, o que representa uma queda de 4,95%. O reajuste começa a valer a partir de amanhã (20). O preço médio do combustível ficará em R$ 2,69 por litro. O diesel não sofre alteração, permanecendo em R$ 2,86 por litro.

O impacto do reajuste nas refinarias, porém, não repercute de forma imediata no custo da gasolina nos postos de combustível. De acordo com nota divulgada pela estatal, as variações para mais ou para menos estão associadas ao mercado internacional e à taxa de câmbio e têm influência limitada sobre o valor repassado aos consumidores finais.

“Como a legislação brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, a mudança no preço final dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de etanol anidro, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos postos revendedores de combustíveis”, diz a nota.

Esta é a primeira redução anunciada em 2021. Desde janeiro, o preço médio da gasolina já havia sofrido seis aumentos. Com o novo anúncio, o combustível passa a acumular alta de R$ 46,2% desde o início do ano. Já o diesel subiu 41,6%.

A sequência de aumentos gerou críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro. No mês passado, ele anunciou mudança no comando da Petrobras, indicando general Joaquim Silva e Luna para a presidência. Ele deverá substituir Roberto Castello Branco, cujo mandato se encerra amanhã (20). O anúncio da troca gerou queda nas ações da empresa.

Na terça-feira (16), o Comitê de Pessoas da Petrobras considerou que Luna preenche os requisitos legais para a indicação e o considerou apto para exercer o cargo. O general precisa ainda ser eleito em assembleia geral dos acionistas convocada para o dia 12 de abril. Em seguida, seu nome deve ser aprovado pelo Conselho de Administração da estatal, composto por 11 membros. Sete deles são indicados pela União que é a acionista majoritária, três pelos demais acionistas e um pelos empregados.

Agência Brasil

Governo zera Imposto de Importação sobre bens de capital e informática

Rio de Janeiro - Equipamentos para perícia em crimes de infomática (aparelhos para capturar dados de celulares e computadores)expostos em seminário nacional para peritos que acontece na Cidade da Polícia, zona norte da cidade.

Novas alíquotas entram em vigor em sete dias

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Diário Oficial da União publicou hoje (19) resoluções que reduzem e zeram as alíquotas do Imposto de Importação sobre diversos bens de capital e equipamentos de informática e telecomunicações. A medida foi anunciada na última quarta-feira (17), após ser aprovada pelo Comitê Executivo de Gestão (Gecex), da Câmara de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Camex).

As novas alíquotas entram em vigor em sete dias. Os bens de capital são máquinas e equipamentos usados na produção. Em nota, na ocasião da aprovação na Camex, o Ministério da Economia informou que a medida vai reduzir custos e aumentar a competitividade de diversos setores da economia e beneficiar os consumidores, que pagarão menos para comprar itens como computadores e celulares. Por causa da desvalorização do real no último ano, esses produtos tiveram alta considerável de preços no país.

As resoluções nº 171/21 e nº 172/21 especificam os bens de capital, de diversos setores, e equipamentos de informática e telecomunicações que tiveram as alíquotas zeradas.

No caso da Resolução nº 173/21, são os produtos que tiveram a alíquota de importação reduzida. De acordo com o Ministério da Economia, os preços deverão ficar de 2% a 5% mais baratos para o consumidor e a medida provocará perda de arrecadação de R$ 1,4 bilhão este ano. Como a mudança ocorreu num imposto regulatório (usado para regular a economia), o governo não precisa elevar outros impostos ou cortar gastos para compensar a perda de arrecadação, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal para os demais tipos de tributos.

Atualmente, as tarifas de importação desses produtos variam de zero a 16% para as mercadorias que pagam a tarifa externa comum (TEC) do Mercosul, e agora vão variar de zero a 14,4%. Com a redução, uma máquina que paga 10% de imposto para entrar no país pagará 9%. Um eletrônico tarifado em 16% passará a ser tarifado em 14,4%. Os itens com tarifas em 2% terão redução maior e a alíquota zerada.

Entre os produtos beneficiados estão celulares e computadores do tipo laptop, equipamentos médicos de raio-X e microscópios ópticos, máquinas para panificação e fabricação de cerveja e bens de capital relacionados à construção civil, como guindastes, escavadeiras, empilhadeiras, locomotivas e contêineres.

Biclicletas

Resolução nº 170/21, também publicada nesta sexta-feira, altera para 31,5% a tarifa sobre bicicletas importadas. Na reunião desta semana, a Camex decidiu revogar a resolução de fevereiro que reduzia o Imposto de Importação de bicicletas para 30% este mês e 25% em julho. Anunciada no mês passado pelo presidente Jair Bolsonaro, a medida que reduzia progressivamente a tarifa, até alcançar 20%, vinha sendo criticada pelos fabricantes brasileiros, principalmente da Zona Franca de Manaus.

Agência Brasil

Dívidas com fundos constitucionais já podem ser renegociadas

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real

Marcello Casal

Portaria publicada hoje no Diário Oficial traz regras de renegociação

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O governo federal estabeleceu as regras para que empresas que tomaram empréstimos dos fundos constitucionais possam renegociar suas dívidas.

portaria dos ministérios do Desenvolvimento Regional (MDR) e da Economia foi publicada hoje (19) no Diário Oficial da União.

De acordo com o MDR, os fundos constitucionais do Norte (FNO), Nordeste (FNE) e Centro-Oeste (FCO) registram mais de R$ 10,6 bilhões em dívidas de cerca de 500 mil pessoas físicas e jurídicas.

Aproximadamente 98% dos débitos são de até R$ 100 mil, ou seja, de pequenos devedores. A criação dos fundos está prevista no artigo 159 da Constituição Federal para apoiar programas de financiamento ao setor produtivo das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A expectativa do governo é atingir, no mínimo, 10% das carteiras do FNO, FNE e FCO provisionadas (reserva para o caso de inadimplência) ou em prejuízo, com a recuperação de cerca de 30 mil contratos.

Podem ser renegociadas operações cuja contratação original tenha ocorrido há, no mínimo, sete anos, ou 10 anos contados da última renegociação, e que tenham pagamentos integralmente provisionados há, pelo menos, um ano ou lançadas totalmente em prejuízo nas demonstrações financeiras dos fundos constitucionais. O prazo de quitação será de até 120 meses, com descontos de até 70% do valor total dos créditos a serem renegociados e atualização da dívida pelo encargo previsto no último acordo contratual.

Em comunicado, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, observou que muitas empresas que se utilizaram de recursos desses fundos há vários anos fizeram a contratação sob condições financeiras bem mais rigorosas do que as atuais e vêm sofrendo com “a longa recessão que o país e o mundo vivem nos últimos anos”. “A inadimplência inviabiliza a retomada dos investimentos, contrariando a finalidade dos próprios fundos, que é aumentar a produtividade dos empreendimentos, gerar novos postos de trabalho, elevar a arrecadação tributária e melhorar a distribuição de renda nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste”, explicou.

Acordos com bancos

Os recursos dos fundos constitucionais são administrados pelo MDR e pelas superintendências do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), do Nordeste (Sudene) e do Centro-Oeste (Sudeco) e concedidos por meio do Banco da Amazônia, do Banco do Nordeste e do Banco do Brasil, respectivamente.

O acordo de renegociação deverá ser feito diretamente com os bancos. O MDR explicou que uma das modalidades para a quitação da dívida é o pagamento direto de parcelas sobre o valor devido. O comprometimento da capacidade de pagamento corresponde ao percentual do fluxo de caixa projetado do empreendimento financiado que será utilizado para o pagamento das operações. Não serão incluídas entre as despesas ou amortizações as dívidas com outros credores financeiros ou de mercado de capitais.

Outra forma de quitação é a garantia por meio de bens do devedor. O valor será aferido por meio de laudo de avaliação contratado pelo banco, que pode cobrar por esse serviço.

A declaração de devedor cujo valor total das operações, após atualização dos valores, seja inferior a R$ 100 mil será suficiente para a avaliação do comprometimento de sua capacidade de pagamento. Dessa maneira, fica dispensada a necessidade do laudo de avaliação pelo banco administrador.

“O Banco da Amazônia, o Banco do Nordeste e o Banco do Brasil deverão utilizar mecanismos de minoração do risco, conforme suas respectivas regras de governança, para evitar fraudes derivadas de declarações prestadas”, informou o MDR.

Financiamentos

Em 2020, os fundos constitucionais movimentaram R$ 43,78 bilhões nas três regiões. O Nordeste movimentou mais recursos, com R$ 25,8 bilhões em contratações, seguido pelo Norte, com R$ 10,48 bilhões, e pelo Centro-Oeste, com R$ 7,5 bilhões em financiamentos.

Desse total, R$ 3,52 bilhões foram destinados a pequenos empreendedores das três regiões, que puderam acessar empréstimos por meio da linha emergencial contra os impactos da pandemia de covid-19.

Agência Brasil

Xand Avião revê carreira na pandemia e diz que ‘quantidade não é qualidade’

xand aviao Xand Avião revê carreira na pandemia e diz que 'quantidade não é qualidade'

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — Assim como aconteceu com toda a classe artística, o cantor cearense Xand Avião, 38, tem amargado preocupações e perdas na Pandemia. O forrozeiro interrompeu os shows, chegou a contrair Covid-19 e teve que demitir cerca de 50 pessoas, que ele espera recontratar assim que possível.

Até a esperança de retomar as turnês em 2021 ele está perdendo: “Na virada do ano eu me ajoelhei e pedi pela vacina. Mas pelo andar da carruagem, pelo meu porte, do Wesley Safadão, do Gusttavo Lima, acho difícil que trabalhemos esse ano. Não queria ser pessimista, mas não dará sem vacina”, afirma.

Mas não foi apenas de problemas esse período sem shows. Xand diz que refletiu bastante e, quando retornar aos palcos, não pretende voltar ao ritmo de antes. Segundo ele, a ideia é frear um pouco, afinal “quantidade não é qualidade”. Assim, sua média de 22 shows por mês deve ser reduzida a cerca de 12.

Ele conta que, como o ritmo frenético de antes, acabou negligenciando possibilidades de sua carreira, como os streamings de música e as redes sociais. Na pandemia, ele continuou a entregar novidades a seus fãs, mas por esses meios, o que lhe rendeu números importantes, que ele espera manter.

No Spotify, por exemplo, ele acumula mais de seis milhões de ouvintes mensais de seus hits. As duas músicas mais executadas, segundo a plataforma, são “Basta Você me Ligar – Ao Vivo”, com 180 milhões de plays, e “Algo Mais (Amante) – Ao Vivo”, com 98 milhões.

Já na Deezer, Xand Avião cresceu quase 115% nos últimos seis meses, na comparação com os seis meses anteriores. De acordo com a plataforma, o público que mais o ouve tem entre 26 e 45 anos (45,92%), seguido por quem tem de 18 a 25 anos (25,17%). Ele tem quase 900 mil fãs na plataforma, ou seja, pessoas que favoritaram o artista.

“Antigamente eu não tinha esses números por culpa minha. Quando tudo parou que eu fui perceber que havia uma ferramenta de longo alcance que não estava usando. Tenho uma legião de fãs e meu público está mudando. Preciso acompanhar esse movimento”, destaca Avião.

O mais recente trabalho do cantor é uma versão em forró da música “Apaga a Luz”, lançada do funkeiro MC Topre e sucesso no TikTok. “O ritmo de forró em uma música de funk dá um quê a mais. Fica mais interessante ainda mais acompanhada de um clipe interativo”, afirma ele, que lançou a nova música no último dia 12.

Veja alguns destaques da entrevista do músico à Folha de S.Paulo.

PERGUNTA – Você acaba de lançar a versão forró do hit “Apaga a Luz”. O que ela tem de mais bacana?
XAND-AVIÃO – A gente sempre está ouvindo o que rola pelo país e essa música viralizou. Através do meu produtor, DJ Ivis, que também está se lançando como cantor, conheci o [MC] Topre, o compositor da música. E esse cara perguntou se não tinha como gravar em outro ritmo comigo. Então fui convidado e decidimos fazer a gravação e o clipe em menos de 24 horas. Lançamento com a pegada do Xand Avião.

P. – Como foi feito o clipe em meio à pandemia?
XA – Viajei de Fortaleza até São Paulo. Desci do aeroporto, tomei um banho e filmamos. No caso a gente já tinha feito teste para Covid-19 dois dias antes, pois tínhamos feito um programa na Globo. O clipe foi todo com chroma key [fundo verde onde é possível colocar imagens]. Não gravamos todos juntos. Tem efeitos visuais, ficou bem legal. Essa música é a mais tocada no Tiktok.

A versão em forró deu outra cara à melodia?
O ritmo de forró feito em uma música de funk dá um quê a mais. Fica mais interessante ainda mais acompanhada de um clipe interativo. Aparecem várias pessoas dançando, mas é tudo efeito especial.

P. – Como você vê essa mescla de ritmos?
XA – Isso que me move. Tenho riqueza musical grande por ter trabalhado em rádio, fui locutor em um tempo que tocava até o que não gostava. Então, conheço e ouço pop, rock, samba. Já cantei de tudo. Gosto de passear pelo funk, sertanejo. Há pouco tempo gravei com o grupo As Baías. Gravei até bolero. Adoro beber de outras fontes.

P. – Como a pandemia tem te afetado?
XA – Bateu e está batendo forte. Não conseguimos fazer shows, só lives. O YouTube foi importante nesse período, pois eu nunca tinha usado essa plataforma como poderia. Fiz seis lives que deram o mesmo trabalho de fazer seis DVDs. Mesmo assim, nossa tecnologia avançada não substitui o calor humano com 10 mil pessoas gritando e tirando foto. Já deu um ano e um mês parado, mas sem vacina não tem como trabalhar.

P. – Perdeu muito dinheiro na pandemia?
XA – Perdi muito, porque como cantor rodo pelo país todo. Meu maior ganho é nos shows. Antes tinha a venda de discos, agora não mais. Pouca gente consome DVD. Tínhamos uma estrutura gigante com 50 pessoas empregadas, e todos perderam seus empregos [a tendência é que eles sejam recontratados após a pandemia]. Estamos tirando dinheiro de algum lugar, das economias para segurar até onde dá.

P. – Consegue fazer planos para 2021?
XA – Na virada para 2021 eu me ajoelhei e pedi pela vacina. Mas pelo andar da carruagem, os maiores cantores deverão começar a voltar lá para agosto ou setembro para shows com 100 pessoas. Pelo meu porte, do Wesley Safadão, do Gusttavo Lima, acho difícil que trabalhemos esse ano. Não queria ser pessimista, mas não dará sem vacina.

P. – Como ficaram as suas relações familiares nesse contexto?
XA – Meus pais não moram comigo, são separados e moram em cidades diferentes. Para proteger eles fiquei mais afastado e com saudade. Passei três meses sem vê-los. Atualmente fico só com minha esposa [Isabele Temoteo] e com meus dois filhos com ela [Enzo, 13, e Maria Isabella, 8]. Tenho outros dois [Aguida, 20, e Adryan, 18] que moram com a mãe e demorei mais para vê-los. No passado, após o Carnaval [antes da pandemia], tirei férias e pude viajar para Miami com os quatro juntos. Quando eu voltei, eu e a minha esposa pegamos a Covid-19.

P. – Como lidaram com a doença?
XA – Foi difícil. Agora nessa segunda onda, estou evitando até ir nas cidades onde meus pais moram. Meu pai está em Pau dos Ferros (RN) e minha mãe fica em Natal (RN). Não quero pegar de novo e por isso redobrei as atenções. Até novembro eu não tinha medo, mas agora eu tenho.

P. – O que adora fazer e não conseguiu mais nesse período de quarentena?
XA – Viajar é o que eu mais adoro e estou há mais de um ano sem viajar. Sempre que podíamos a gente viajava pelo Brasil ou para fora dele. Adoro provar da gastronomia dos lugares. Estou tentando aprender a cozinhar agora, inclusive. Gosto de ver filmes, sou viciado em pedalar e quando pego a bike faço 70 quilômetros. Me ajuda a pensar na vida.

A pandemia te trouxe mais discernimento para pensar sua carreira?
A pandemia chegou para dar um start: quantidade não é qualidade. Não vou parar de cantar nunca, mas dá para fazer 12 shows bem acabados. Eu fazia 22 ao mês. E aprendi que todo mundo é igual, não existe preto, branco, pobre ou rico. Vi milionários e pobres morrendo de Covid. Temos de dar mais valor à família. Nunca vivi tão perto da minha e quero continuar vivendo.

Quais projetos profissionais você tinha em mente e foram postergados?
Tanta coisa. Estávamos com gravação de DVD marcada para abril de 2020. A gente ficou sem fazer nada, apenas lives. Fiquei entre os cinco artistas com as melhores lives do país. Mas estou focado em presentear o público com novidades. Todo mês lanço uma música. Alimento as plataformas com novos materiais e clipes. Estou fazendo um compilado de canções para quando acabar a pandemia juntar tudo num DVD.

Seus números nas plataformas de música são muito bons. A que se deve isso?
Antigamente eu não tinha esses números por culpa minha. Fazíamos uma média de 22 shows por mês e não havia tempo para alimentar nossa própria rede. Quando tudo parou que eu fui perceber que havia uma ferramenta de longo alcance que não estava usando. Tenho uma legião de fãs e meu público está mudando. Preciso acompanhar esse movimento.

A música “Não Pode se Apaixonar” já passou das 34 milhões de visitas em um mês. Qual segredo?
Já tive mais esse “vício” de encaixar hits. O Aviões do Forró quando estourou, em 2008, ficou em primeiro lugar no Brasil. E eu queria sempre estar em primeiro. Quando saímos do primeiro lugar e começamos a figurar entre os dez mais tocados me preocupei em achar rápido um novo hit. Nem sempre a gente acerta, mas geralmente, de cinco músicas lançadas sei que três virarão sucesso.

Você virou empresário dos cantores Zé Vaqueiro e Nattan na pandemia. Como lida com esse lado?
Foi culpa da pandemia. Estava sem fazer nada e surgiu o Zé Vaqueiro para eu conhecer, estava estourado, o mais ouvido no YouTube. Nunca tinha agenciado ninguém porque sempre focava na minha carreira. A música ‘Letícia’ já está com mais de 200 milhões de visualizações. Depois, apareceu o Nattan para eu empresariar. Eles são novos e excelentes. Estou dando toques a eles por ter 19 anos de sucesso.

Como deseja estar daqui cinco ou dez anos?
Já estarei próximo dos 50 anos e quero estar cantando ainda, mas bem menos, e ajudando pessoas. Meu filho [Enzo, 13] quer ser cantor. Não sei se vou ajudar, mas ele canta bem. Vou ver se darei uma luz a ele nesses próximos anos.

E pelo lado pessoal, o que deseja?
Já consegui tudo inclusive pelo lado material. Mas quero viver mais com meus filhos e esposa, curtir a vida mesmo e o que a gente construiu.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EMITE NOTA

academia MPs confirmam que academias fecham no RN

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte, o Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte e o Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Norte reuniram-se, na manhã desta sexta-feira (19), com o Governo do Estado do RN e com a Prefeitura de Natal, para definir os limites de cumprimento do Decreto Estadual 30.419/21, subscrito pela Governadora do RN e pelo Prefeito de Natal. Com a mediação, ficou acordado que o decreto deve ser cumprido em seus exatos termos, ficando as academias de ginásticas, boxes de crossfit, estúdios de pilates e similares excluídas das atividades essenciais, e permanecendo suspensas as atividades coletivas de natureza religiosa, de acordo com o artigo 6º do decreto.

Os Ministérios Públicos, em conjunto, reforçam a importância desse acordo entre Governo do Estado e Prefeitura de Natal, ratificando a uniformidade das medidas essenciais para a superação desse grave momento da pandemia de Covid-19 no nosso Estado e no país.
Clique aqui para acessar a íntegra do Decreto Estadual 30.419, de 17 de março de 2021.

Nota de apoio ao Decreto Nº 30.419, de 17 de março de 2021

A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte – FEMURN,  demonstrando a preocupação com a saturação do sistema de saúde para os leitos críticos de UTI Covid no Estado e consciente da necessidade de estabelecer novas medidas restritivas, em face do aumento dos números de óbitos, taxa de ocupação de leitos de UTI e o aumento exponencial da contaminação da população, assim como reconhecendo a necessidade de uma atuação conjunta entre todos os Municípios do Rio Grande do Norte, vem através da presente manifestação apoiar  o Decreto Nº 30.419, de 17 de março de 2021, ressaltando a importância da ação conjunta entre a Governadora do Estado do Rio Grande do Norte, Prefeito do Município de Natal e os gestores dos municípios potiguares.
Na oportunidade, recomendamos que todos os Municípios filiados a Federação apoiem também o Decreto Nº 30.419/2021 e, juntos, façamos um grande esforço de contenção do contágio do COVID-19, sobretudo, nos próximos 14 dias.
Natal, 18 de março de 2021.

FEMURN – Federação dos Municípios do estado do Rio Grande do Norte.
Presidente:  Anteomar Pereira ( Babá ) – Prefeito de São Tomé/RN

AMSO – Associação dos Municípios da Microrregião do Seridó Ocidental
Presidente: Fernando Antônio Bezerra- Prefeito de Acari – RN

AMLAP – Associação dos Municípios do Litoral Agreste Potiguar
Presidente: Fernando Luiz Teixeira de Carvalho – Prefeito de Espírito Santo – RN

AMS: Associação dos Municípios do Seridó
Presidente: Ivanildo Araújo de Albuquerque – Prefeito de Timbaúba Dos Batistas – RN

AMOP – Associação dos Municípios do Oeste Potiguar
Presidente: Rivelino Câmara – Prefeito de Patu – RN

AMCEVALE – Associação dos Municípios da Região Central e Vale do Assu  Potiguar
Presidente: Reno Marinho de Macêdo – Prefeito de  São Rafael/RN

ASSESSORIA DE IMPRENSA FEMURN